Postagens

Anuário Pontifício 2018 e Annuarium Statisticum Ecclesiae 2016

O Anuário Pontifício 2018 e o Annuarium statisticum Ecclesiae 2016, cujo relatório foi editado pelo Escritório Central de Estatística da Igreja, estão sendo distribuídos para livrarias com um atraso devido à transição para métodos mais avançados de apresentação e produção e realização dos dois anuários.

Minha frustante experiência como missionária Mórmon

Imagem
por Jose Luis
O ano era 1988, o dia, não me lembro! Saí do meu trabalho às 14h. Neste dia, eu estava a fim de ir ao centro de São Paulo. Todavia, resolvi deixar para outro dia e descansar, afinal de contas, eu levantava às 05h da manhã. Por volta das 15h, escutei batidas de palmas. Eram eles, os missionários Mórmons. Ao atender, verifiquei que se tratava de dois rapazes norte-americanos. Eles se apresentaram como mensageiros de Jesus Cristo. 
Disseram-me que tinham uma mensagem de Jesus Cristo para mim. Perguntaram-me se eu teria alguns minutos para ouvi-los. Eu não sei quantas pessoas, que automaticamente dizem “sim” para esta abordagem. Deve ser muitas pessoas. Principalmente, os que acreditam em Jesus.

Alunos do Santa Cruz contestam argumentação de professores grevistas

Catorze alunos do colégio Santa Cruz, um dos mais tradicionais e caros de São Paulo, divulgaram carta contestando a argumentação de professores que aderiram à greve convocada pela CUT e outras entidades para o dia 28 de abril de 2017, uma sexta-feira, véspera de um feriado prolongado, em protesto contra a reforma da previdência do Governo Temer. Seguem a íntegra da carta dos alunos e a dos professores, que foram divulgadas nas redes sociais.
Carta dos estudantes
Em primeiro lugar, é necessário dizer que temos um profundo respeito pelo corpo docente do Colégio Santa Cruz, que realiza seu dever de nos educar de forma exemplar, e com o qual possuímos muitas ideias em comum. Reconhecemos também que foram esses professores que nos possibilitaram desenvolver as competências necessárias para entrar no debate político e sempre nos deram o espaço para exercermos nossos questionamentos. Apesar disso, seria impossível não nos posicionarmos frente ao que consideramos uma visão equivocada, com prov…

Padres pedófilos surgem na pista do desaparecimento de duas menores

Imagem
por Wálter Fanganiello Maierovitch para portal Terra

Crime perfeito, no popular, é aquele sem identificação da autoria. Com efeito, há 29 anos desaparecia Emanuela Orlandi (foto), de 15 anos e filha de um dos servidores do papa Wojtyla. No momento, os magistrados do Ministério Público italiano exploram dois novos filões investigativos do chamado Vaticano Connection.

Emanuela tinha cidadania e residia com os pais no Vaticano. O papa João Paulo II, sensibilizado, fez vários apelos pela sua libertação. Ela desapareceu em 22 de junho de 1983. Tímida, recatada e flautista, Emanuela foi sequestrada na saída da escola de música junto à Basílica-menor de Santo Apolinário, no centro-histórico de Roma.

A propósito, recentemente descobriu-se que na cripta dessa basílica estava sepultado o sanguinário Enrico de Pedis, apelidado Renatino, um dos chefões da Banda della Magliana, organização criminosa romana de matriz mafiosa.

Em maio último, o caixão de Renatino, assassinado em 2 de fevereiro de 19…

Peles de sapos podem tratar mais de 70 doenças, dizem cientistas

Imagem
da BBC Brasil

Cientistas da Queens University, em Belfast, na Irlanda do Norte, ganharam um prêmio pela pesquisa sobre o uso de pele de anfíbios como pererecas e sapos, que pode levar à criação de novos tratamentos para mais de 70 doenças.

A pesquisa, liderada pelo professor Chris Shaw, da Escola de Farmácia da universidade, identificou duas proteínas nas peles dos anfíbios que podem regular o crescimento de vasos sanguíneos.


Uma proteína da pele da perereca Phyllomedusa sauvagii (Hylidae) inibe o crescimento de vasos sanguíneos e pode ser usada para matar tumores cancerígenos.

Shaw informou que a maioria destes tumores apenas pode crescer até um certo tamanho, antes de precisarem de vasos sanguíneos fornecedores de oxigênio e nutrientes.

"Ao paralisarmos o crescimento dos vasos sanguíneos, o tumor terá menos chance de crescer e, eventualmente, vai morrer", disse. "Isto tem o potencial de transformar o câncer de doença terminal em condição crônica", acrescentou.

Na…

Hominídeo macho de há 2 milhões de anos era 'caseiro', diz estudo

Imagem
por Marco Varella, colaborador da Folha

Pesquisadores acabam de mostrar que, entre ancestrais do homem que viveram na África, as fêmeas é que costumavam se aventurar para longe de seu grupo de origem na hora de acasalar.
Já os machos das espécies Australopithecus africanus [na reprodução] e Paranthropus robustus, que viveram há cerca de 2 milhões de anos, tendiam a ficar em casa ""no caso, um conjunto de cavernas na África do Sul"" após a puberdade.
A novidade do estudo, que está na revista Nature, é que ele usa uma tecnologia de ponta, a chamada ablação a laser, para "buscar novas formas de fazer ossadas antigas falarem", diz Matt Sponheimer, da Universidade do Colorado, um dos autores.

Trata-se de uma técnica não invasiva em que o laser identifica o nível de variantes do elemento químico estrôncio presentes no esmalte dos dentes dos hominídeos.
O estrôncio ocorre naturalmente em rochas e no solo e é incorporado por animais durante a alimentação. A propor…

Estudo identifica tribo amazônica que não conhece conceito de tempo

Imagem
da BBC Brasil

Pesquisadores brasileiros e britânicos identificaram uma tribo amazônica que, segundo eles, não tem noção do conceito abstrato de tempo.

Chamada Amondawa, a tribo não tem as estruturas linguísticas que relacionam tempo e espaço – como, por exemplo, na tradicional ideia de “no ano que vem”.

O estudo feito com os Amondawa, chamado “Língua e Cognição”, mostra que, ainda que a tribo entenda que os eventos ocorrem ao longo do tempo, este não existe como um conceito separado.

A ideia é polêmica, e futuras pesquisas tentarão identificar se isso se repete em outras línguas faladas na Amazônia.

O primeiro contato dos Amondawa com o mundo externo ocorreu em 1986, e, agora, pesquisadores da Universidade de Portsmouth (Grã-Bretanha) e da Universidade Federal de Roraima começaram a analisar a ideia de tempo da forma como ela aparece no idioma falado pela tribo.

“Não estamos dizendo que eles são ‘pessoas sem tempo’ ou ‘fora do tempo’”, explicou Chris Sinha, professor de psicologia da l…