Pular para o conteúdo principal

Médico italiano diz ter clonado três bebês há nove anos

Da revista Época

Severino_Antinori O polêmico ginecologista italiano Severino Antinori (foto) afirmou, em entrevista à revista semanal Oggi, que clonou três bebês e que eles vivem uma vida saudável hoje em dia, na Europa oriental. De acordo com Antinori, os bebês - dois meninos e uma menina - têm nove anos.

Famoso por auxiliar uma mulher de 63 anos a engravidar, Antinori não apresentou provas de seu suposto feito, mas afirmou ter usado uma técnica  chamada “transferência nuclear”, que seria uma “melhoria” da técnica usada para clonar a ovelha Dolly, em 1996.


O ginecologista afirmou que os três pais das crianças eram estéreis e que usou as células deles para conseguir gerar a gravidez nas mulheres. “Eram dois meninos e uma menina, com nove anos hoje. Eles nasceram saudáveis e estão com a saúde excelente hoje”.

Em novembro de 2001, Antinori causou polêmica semelhante ao anunciar que usaria a técnica de clonagem para ajudar casais que não poderiam ter filhos. No início do mesmo ano, Antinori fez uma previsão de que poderia conseguir completar com sucesso a clonagem humana na metade de 2003. Se sua declaração desta quarta-feira (4) for verdadeira, Antinori já teria tido sucesso com a técnica ao fazer tais comentários no início da década.

Quando veio ao Brasil, em novembro de 2006, para participar de um simpósio em Ribeirão Preto, Antinori também mencionou a existência dos clones. "Não são monstros", disse ele, referindo-se a três crianças que viviam no leste europeu e teriam entre três e cinco anos, resultados positivos de suas experiências com clonagem humana. Ao contrário do que afirma na entrevista mais recente, o italiano dizia ter clonado um menino e duas meninas.

Citando a necessidade de respeitar a privacidade das famílias, Antinori disse que não poderia fazer mais revelações sobre os casos de sucesso. Ao falar do episódio, o médico usou o termo “clonar”, mas, segundo a agência de notícias francesa AFP, depois que o repórter de Oggi citou que a técnica é proibida na Itália, Antinori preferiu falar de “terapias inovadoras” e de “recodificação genética”.

No fim de fevereiro, o médico causou mais polêmica ao confirmar que faria inseminação artificial em uma mulher cujo marido está em coma por conta de um tumor no cérebro.O polêmico ginecologista italiano Severino Antinori afirmou, em entrevista à revista semanal Oggi, que clonou três bebês e que eles vivem uma vida saudável hoje em dia, na Europa oriental. De acordo com Antinori, os bebês - dois meninos e uma menina - têm nove anos.

Famoso por auxiliar uma mulher de 63 anos a engravidar, Antinori não apresentou provas de seu suposto feito, mas afirmou ter usado uma técnica chamada “transferência nuclear”, que seria uma “melhoria” da técnica usada para clonar a ovelha Dolly, em 1996.

O ginecologista afirmou que os três pais das crianças eram estéreis e que usou as células deles para conseguir gerar a gravidez nas mulheres. “Eram dois meninos e uma menina, com nove anos hoje. Eles nasceram saudáveis e estão com a saúde excelente hoje”.

Em novembro de 2001, Antinori causou polêmica semelhante ao anunciar que usaria a técnica de clonagem para ajudar casais que não poderiam ter filhos. No início do mesmo ano, Antinori fez uma previsão de que poderia conseguir completar com sucesso a clonagem humana na metade de 2003. Se sua declaração desta quarta-feira (4) for verdadeira, Antinori já teria tido sucesso com a técnica ao fazer tais comentários no início da década.

Quando veio ao Brasil, em novembro de 2006, para participar de um simpósio em Ribeirão Preto, Antinori também mencionou a existência dos clones. "Não são monstros", disse ele, referindo-se a três crianças que viviam no leste europeu e teriam entre três e cinco anos, resultados positivos de suas experiências com clonagem humana. Ao contrário do que afirma na entrevista mais recente, o italiano dizia ter clonado um menino e duas meninas.

Citando a necessidade de respeitar a privacidade das famílias, Antinori disse que não poderia fazer mais revelações sobre os casos de sucesso. Ao falar do episódio, o médico usou o termo “clonar”, mas, segundo a agência de notícias francesa AFP, depois que o repórter de Oggi citou que a técnica é proibida na Itália, Antinori preferiu falar de “terapias inovadoras” e de “recodificação genética”.

No fim de fevereiro, o médico causou mais polêmica ao confirmar que faria inseminação artificial em uma mulher cujo marido está em coma por conta de um tumor no cérebro.

Brasil ainda não tem legislação para o bebê de proveta. (fevereiro de 2009)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…