Pular para o conteúdo principal

Homens ficam mais abalados pela crise do que as mulheres

Da Reuters

Pintura de Gogh LONDRES - A recessão que atinge economias em todo o mundo vai afetar os homens mais fortemente que as mulheres, na medida em que a insegurança no emprego ameaça o senso inato de masculinidade, prejudicando a saúde mental, disseram pesquisadores britânicos este mês.

Um estudo da Universidade Cambridge mostrou que, apesar de mais mulheres que homens estarem perdendo seus trabalhos na Grã- Bretanha devido ao arrocho do crédito, os homens que acham que podem ser despedidos tendem a ficar mais estressados e deprimidos que as mulheres na mesma situação.

À medida que a recessão se arrasta, os efeitos da insegurança no trabalho serão piores para a saúde dos homens que para o das mulheres, constatou o estudo.

"Há em parte a ideia machista de o homem ser o ganha-pão da casa", disse o Dr. Brendan Burchell, do departamento de sociologia da Universidade de Cambridge, que compilou o estudo.

"Diferentemente das mulheres, os homens têm poucas maneiras positivas, excetuando o trabalho, de definir-se entre o período em que completam seus estudos e quando se aposentam."

Burchell disse que, apesar de várias décadas de oportunidades iguais de trabalho para homens e mulheres, os homens ainda conservam a ideia tradicional de que uma ameaça a seu emprego representa uma ameaça a sua masculinidade.

O estudo citou uma pesquisa Populus divulgada neste ano que mostrou que as mulheres se dizem mais preocupadas que os homens com a possibilidade de perder seus empregos.
Mas o estudo de Cambridge constatou que, embora os homens possam ostentar uma fachada mais corajosa, a insegurança no trabalho provoca mais sintomas de ansiedade e depressão entre eles que entre as mulheres.

Analisando dados de 300 funcionários britânicos atuais, além de uma pesquisa feita com milhares de pessoas pelo Conselho de Pesquisas Econômicas e Sociais, mapeando os efeitos das transformações econômicas e sociais desde 1991, o estudo constatou que, quando homens desempregados passam a trabalhar em empregos inseguros, não apresentam melhora em sua saúde psicológica.

Para mulheres desempregadas, mesmo um emprego inseguro já ajuda a restaurar sua saúde psicológica.

Burchell disse que o declínio de longo prazo no bem-estar mental pode ser pior para pessoas ameaçadas de perder seus empregos que para aquelas que são demitidas de fato.

"Como a maioria das previsões dá conta de que a recessão será longa, com período de recuperação lento, muitas pessoas -- especialmente homens -- podem estar ingressando num período de infelicidade prolongada e crescente."

> 22% dos paulistanos afirmam ter sintomas de depressão. (outubro de 2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…