Pular para o conteúdo principal

Mulheres demoram mais a largar cigarro, diz pesquisa

Estudo foi feito com 6.000 pacientes do Hospital A. C. Camargo, em São Paulo
Fumo mascara sintomas de depressão, mais freqüentes no sexo feminino, e acaba sendo usado por elas como uma fuga do problema



por Fernanda Bassette, da Folha de S.Paulo

Mulheres que fumam têm mais dificuldade para abandonar o vício porque são mais dependentes psicologicamente do cigarro, aponta um levantamento realizado com 6.000 pacientes que fizeram tratamento no GAT (Grupo de Apoio ao Tabagista) do Hospital A. C. Camargo, em São Paulo.

De acordo com a psiquiatra Célia Lídia da Costa, coordenadora do GAT e autora da pesquisa, isso acontece porque as mulheres têm mais depressão do que os homens e, por isso, estão mais sujeitas aos sintomas de ansiedade.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão atinge duas mulheres para cada homem.
"A mulher normalmente enxerga o cigarro como um remédio, como uma fuga. Ela tem necessidade de fumar para resolver algum problema e o cigarro acaba mascarando os sintomas da depressão. Ela tem um perfil diferente do homem, que normalmente fuma por prazer", afirma Costa.

Daí surge a principal dificuldade delas para largar o vício -pois, sem os efeitos da nicotina no cérebro, o corpo começa a sentir os sintomas da depressão. Segundo Costa, enquanto os homens param de fumar em cerca de três meses, as mulheres levam pelo menos um ano.

Por isso, avalia a pesquisadora, os resultados do estudo apontam para a necessidade de uma abordagem de tratamento diferenciada, especialmente para as mulheres.
 
"No caso delas, é preciso tratar primeiro a depressão, depois a dependência à nicotina. Nos homens, normalmente a dependência é química, então a gente trata logo a abstinência."

A cardiologista Jaqueline Scholz Issa, diretora do Programa de Tratamento de Tabagismo do InCor (Instituto do Coração) do Hospital das Clínicas de São Paulo, concorda com o tratamento diferenciado para as mulheres.

Segundo a médica, a prevalência de casos de depressão em fumantes é muito alta -estima-se que 60% das pessoas deprimidas fumem.

"As mulheres precisam ser abordadas e tratadas de forma diferenciada para que o tratamento tenha o mesmo índice de sucesso observado nos homens. Existe uma recomendação do consenso americano para tratamento do tabagismo, publicada em 2008, que considera o sexo da pessoa como fator determinante do tratamento. O InCor já adota essa medida", afirma.

Issa diz que quase 40% das mulheres que passam por tratamento para parar de fumar no InCor precisam tomar antidepressivos em algum momento. "Se elas não tomam o remédio, ficam desestimuladas a continuar o tratamento e têm recaída. Então a gente prescreve o antidepressivo para a paciente perceber que não é a falta do cigarro que causa a depressão", afirmou Issa.

A dificuldade no tratamento de fumantes depressivos, explica Issa, surge porque a nicotina mascara os sintomas da depressão. "Quando a mulher tenta parar de fumar, ela acha que está ficando deprimida, quando na verdade ela já estava deprimida e não sabia", afirma.

fumante Isso acontece porque o cérebro do não-fumante possui receptores de dopamina, acetilcolina e serotonina, que proporcionam sensações de prazer no corpo. Quando uma pessoa começa a fumar, a nicotina "substitui" a ação desses neurotransmissores, que deixam de ser produzidos naturalmente pelo organismo.

"O fumante fica dependente desse mecanismo artificial. A nicotina proporciona um efeito de prazer semelhante. São necessárias, no mínino, 12 semanas para que o organismo volte a produzir [neurotransmissores] naturalmente", explica Jaqueline Issa.

De acordo com ela e com Célia Costa, depois do tratamento, a neurocaptação volta ao normal em cerca de 70% dos pacientes. "Os outros 30% podem ter recaída", disse Issa.


Fumante trata depressão para vencer o vício


A funcionária pública Eli do Nascimento Mota, 51, fuma há 34 anos e diz que tenta parar há quatro. Sozinha, nunca conseguiu. "O máximo que consegui foram 18 horas", diz.

Há cerca de um mês, Eli buscou ajuda no GAT (Grupo de Apoio ao Tabagista) do Hospital A. C. Camargo. Diagnosticada com depressão, ela está tratando primeiramente esse problema. "Tive depressão quando jovem, e o problema voltou por causa do câncer [de mama, descoberto em julho deste ano]. Quero parar de fumar, mas é muito difícil."

Eli conta que começou a fumar ainda adolescente, "por brincadeira", com as amigas. Os gastos com o vício eram alimentados pelo pai, também fumante. "Quando me dei conta, estava viciada. Hoje, quando estou nervosa, chego a fumar quatro maços por dia, mais ou menos um cigarro a cada 25 minutos. Se eu acordo de madrugada para ir ao banheiro, tenho que fumar um cigarro."

Eli sabe que tem que parar de fumar, especialmente por causa do tratamento contra o câncer. "Depois que operei, minha família tirou os cinzeiros de casa. Achei que eu pararia, mas não deu certo. Vamos ver se, agora que estou tratando a depressão, eu consigo", disse. (FB)


> Homens que nunca fumaram vivem mais e melhor, diz estudo


Mais sobre cigarro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…