Pular para o conteúdo principal

Hominídeo macho de há 2 milhões de anos era 'caseiro', diz estudo

por Marco Varella, colaborador da Folha

Pesquisadores acabam de mostrar que, entre ancestrais do homem que viveram na África, as fêmeas é que costumavam se aventurar para longe de seu grupo de origem na hora de acasalar.

Já os machos das espécies Australopithecus africanus [na reprodução] e Paranthropus robustus, que viveram há cerca de 2 milhões de anos, tendiam a ficar em casa ""no caso, um conjunto de cavernas na África do Sul"" após a puberdade.

A novidade do estudo, que está na revista Nature, é que ele usa uma tecnologia de ponta, a chamada ablação a laser, para "buscar novas formas de fazer ossadas antigas falarem", diz Matt Sponheimer, da Universidade do Colorado, um dos autores.

Trata-se de uma técnica não invasiva em que o laser identifica o nível de variantes do elemento químico estrôncio presentes no esmalte dos dentes dos hominídeos.

O estrôncio ocorre naturalmente em rochas e no solo e é incorporado por animais durante a alimentação. A proporção das variantes do elemento, o estrôncio-87 e o estrôncio-86, deu aos cientistas pistas precisas sobre os locais de alimentação.

Até agora essa inferência era mais indireta, feita, por exemplo, a partir da forma dos dentes. Mas, com o uso de ferramentas, essa relação pode ser mascarada, pois os alimentos duros podem ser processados antes. A nova técnica "diminui essas fontes de incerteza", diz Patrícia Izar, primatóloga do Instituto de Psicologia da USP.

O estudo mostrou que 75% das fêmeas cresceram em locais distantes das cavernas, contra só 17% dos machos.

Segundo Izar, a chave para entender o fenômeno é a disponibilidade de alimentos de alta qualidade, os que são cruciais para a reprodução.

Se eles existem em grande quantidade e com alta qualidade, e podem ser monopolizados, as fêmeas permanecem no seu grupo de origem, formando coalizões de defesa baseadas no parentesco.

Já se os alimentos estão uniformemente distribuídos no habitat, sendo difíceis de monopolizar pelas fêmeas, os machos é que ficam.

Esse segundo cenário é, por exemplo, a situação de chimpanzés e de muitos grupos humanos. "Se eles estiverem certos, os padrões de busca de alimento e estrutura social previstos para o nosso gênero já estavam presentes nessa época", afirma Izar.

outubro de 2009

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…