Pular para o conteúdo principal

Papa castigou os progressistas e deixou os pedófilos em paz

por Frederico Rampini, do La Repubblica

Joseph Ratzinger, quando cardeal (foto), dirigia a Congregação para a Doutrina da Fé e fez "parte de uma cultura de não responsabilidade, negacionismo e obstrucionismo da justiça" diante dos abusos sexuais cometidos por sacerdotes. A afirmação é do jornalNew York Times, com base em documentos internos à Igreja, entrevistas a bispos e especialistas em direito canônico. Da reportagem, surge uma versão muito diferente sobre o papel do Papa Bento XVI com relação à descrição oficial fornecida pela Igreja.

Entre as revelações, destaca-se uma reunião secreta ocorrida no Vaticano no ano 2000 entre Ratzinger e os bispos das nações anglófonas mais atingidas pelos escândalos da pedofilia: Estados Unidos, Irlanda, Austrália. Segundo o bispo Geoffrey Robinson, de Sidney, que participou do encontro secreto, Ratzinger "levou muito mais tempo para reconhecer o problema dos abusos sexuais do que alguns bispos locais". Na entrevista ao New York Times, o prelado australiano se pergunta: "Por que o Vaticano ficou tantos anos atrás?".

O New York Times desmonta a linha de defesa que a Santa Sé manteve sobre o atual Pontífice. O Vaticano descreveu como uma mudança a decisão de 2001 de dar à Congregação dirigida por Ratzinger a autoridade de simplificar os procedimentos e enfrentar diretamente os casos de pedofilia. Depois dessa decisão, anunciada com uma carta apostólica de João Paulo II, o cardeal Ratzinger, se destacaria como um dos mais corajosos em reconhecer a ameaça dos abusos sexuais para a reputação da Igreja.

Tudo isso foi refutado na reconstrução do jornal norte-americano. Na realidade, a Congregação já tinha os mesmos poderes desde 1922, segundo diversos especialistas de direitos canônico entrevistados. A carta de 2001 não marcou, de fato, uma mudança. Pelo contrário, a Igreja decidiu agir só com grande atraso, sob a pressão de alguns bispos anglófonos de primeira linha nos escândalos.

"Durante as duas décadas em que ele esteve na liderança da Congregação", escreve o New York Times, "o futuro Papa nunca exerceu essa autoridade. Evitou intervir também quando as acusações e os processos estavam minando a credibilidade da Igreja nos EUA, Austrália, Irlanda e outros países".

Ainda hoje, continua o artigo, "muitas décadas depois que os abusos sexuais cometido por padres se tornaram um problema, Bento XVI não instituiu um sistema de regras universais" para enfrentá-los. Pelo contrário, existe ainda "uma confusão difundida entre os bispos sobre o modo de enfrentar as acusações".

Porém, os sinais de alarme para o Vaticano veem de longe. Em 1984, o padre GilbertGauthé, de Lafayette, Louisiana, admitiu ter molestado 37 menores de idade. Em 1989, um enorme escândalo estourou em um orfanato católico no Canadá.

Na primeira metade dos anos 90, 40 padres e monges australianos estavam sob processo por causa de abusos sexuais. Em 1994, um governo caiu na Irlanda por ter negado a extradição de um padre pedófilo. Naquele tempo, o cardeal Ratzinger havia consolidado a sua autoridade na cúpula da Congregação, à qual havia sido nomeado em 1981.

"Era ele", destaca o New York Times, "quem poderia ter iniciado ações decisivas nos anos 90, para impedir que os escândalos se tornassem uma metástase, difundindo-se de um país ao outro". Mas as suas prioridades eram outras.

Desde 1981, Ratzinger havia identificado "a ameaça fundamental para a fé da Igreja": a teologia da libertação, o movimento dos padres progressistas que estava se afirmando na América Latina. "Enquanto o padre Gauthé [pedófilo] era processado na Louisiana, o cardeal Ratzinger estava sancionando publicamente os padres do Brasil e do Peru por terem defendido que a Igreja devia se comprometer em favor dos pobres e dos oprimidos.

Os seus dardos atingiram depois um teólogo holandês favorável ao fato de dar funções eclesiais aos leigos e um norte-americano que defendia o direito ao dissenso sobre o aborto, o controle da natalidade, o divórcio e a homossexualidade".

Para reprimir toda veleidade de autonomia das Igrejas nacionais, Ratzinger usou a sua autoridade para afirmar que as Conferências Episcopais "não têm um fundamento teológico, não pertencem à estrutura da Igreja". Uma ofensiva fatal, desencadeada justamente na fase em que algumas Conferências Episcopais nos países anglófonos haviam começado a enfrentar os escândalos de modo aberto e pediam para poder punir os padres pedófilos sem esperar pela lentidão dos processos canônicos. (Tradução de Moisés Sbardelotto)

> Casos de padre pedófilo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…