Estudo testa enxerto para pênis com mucosa retirada de porco

Estudo avaliou tecido usado em cirurgia para doença de Peyronie, que leva à curvatura do órgão. Tela, retirada do intestino do porco, exige que seja realizado apenas um corte, diferentemente do enxerto de aorta.
por Flávia Mantovani, da Folha
Peyronie Um estudo feito em oito centros brasileiros testou por três anos, com sucesso, um enxerto retirado da mucosa do intestino do porco para tratar doença de Peyronie -caracterizada pela formação de placas fibrosas no pênis, que levam a uma curvatura do órgão na ereção.

Calcula-se que o problema atinja cerca de 8% dos homens com mais de 50 anos, apesar de acometer também jovens. A curvatura varia, mas pode causar dificuldades na relação sexual e chegar a até 90 graus.

O problema pode desaparecer sozinho -o que ocorre em cerca de 15% dos casos, segundo o urologista Sidney Glina, coordenador do estudo. Também podem ser receitados remédios, mas eles nem sempre trazem um bom resultado. Quando há prejuízo à qualidade de vida do paciente, pode ser feita uma cirurgia, indicada para cerca de 30% dos casos.

Há dois tipos de operação: na mais comum e mais simples, reduz-se o lado sadio do pênis para corrigir a curvatura, o que encurta o órgão em cerca de 1 cm a 1,5 cm. Na outra técnica, são colocados enxertos na placa fibrosa -que podem ser de materiais como o pericárdio (revestimento do coração) do boi ou a veia safena do paciente.

O enxerto testado no novo estudo já é usado em outros procedimentos, como para hérnias ou bexiga caída. Após a cirurgia, a curvatura do pênis caiu de 65 graus para dez graus, e quase 90% dos 36 pacientes disseram que a penetração no sexo ficou mais fácil. Ninguém teve o pênis encurtado.

Segundo Glina, aparentemente houve menos rejeição do que com outros enxertos. O tecido do intestino suíno é biocompatível e forma uma espécie de rede na qual as células do próprio paciente crescem.

No caso da safena, que também tem pouca reação imunológica, a desvantagem é ter que se fazer uma segunda incisão, na perna. "O enxerto de safena tem bom resultado. O problema é que há dois cortes e tem que ser tirado um trecho da safena do paciente. Se ele tiver um problema cardíaco no futuro, não vai ter mais esse segmento para fazer a revascularização", diz Geraldo Faria, presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual.

Para Marcelo Baptistussi, urologista colaborador do Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto, o menor tempo cirúrgico é outra vantagem: o procedimento é feito em duas horas, uma a menos do que o da safena. "A internação pode ser mais curta também", completa.

Uma desvantagem é o custo: enquanto a safena é retirada do próprio paciente, o enxerto custa em torno de R$ 1.800.

O preço é uma dos motivos pelos quais o urologista Paulo Egydio, doutor pela USP em doença de Peyronie, acredita que o enxerto de intestino suíno não seja uma boa opção. Para ele, em muitos casos ocorre uma retração do tecido implantado, o que gera perda da correção. Ele diz que já reoperou pacientes que receberam esse enxerto e que a retração é mais frequente quando se corrigem curvaturas acentuadas. "Já utilizei esse material e não tive bom resultado", afirma.

Para Geraldo Faria, porém, a retração é até menor com esse enxerto. Ele diz que é implantado um tecido 30% maior do que a área a ser coberta para prevenir o problema. Além disso, Faria utiliza um alongador peniano para manter o enxerto esticado até ser substituído pelas células do paciente.

Peyronie: perguntas e respostas
do site ABC da Saúde

O que é ?


Essa doença se manifesta como uma zona endurecida no corpo cavernoso do pênis correspondendo a uma área fibrótica e por essa razão descrita pelos pacientes como se fosse um "calo" no pênis.0,4% à 3,5% dos homens adultos são afetados.Estudos de autópsia mostra um número maior de indivíduos afetados.

Como se desenvolve ou se adquire?


Sua causa é desconhecida. Várias etiologias são descritas. Pequenos traumatismos durante o ato sexual são uma possível explicação para o problema. Esses traumatismos seriam seguidos por uma cicatrização errônea. Isso tudo ocorreria em indivíduos geneticamente predispostos. Fatores imunológicos talvez estejam envolvidos, pois em alguns casos, há associação com fibrose retroperitoneal, fibrose palmar ou plantar (doença de Depuytren).Outras situações podem acompanhar a doença de Peyronie,como a diabete melito, gota, uso de betabloqueadores,esclerose do tímpano, doença de Paget, etc.

O que se sente?


O paciente geralmente detecta a placa peniana, a qual pode estar acompanhada de dor ou curvatura peniana, que prejudica seu desempenho sexual. Muitas vezes essa é a razão da consulta. Início abrupto dos sintomas ocorre em menos de 20% dos casos. A doença é progressiva, regredindo espontaneamente em menos de 10% dos pacientes. A placa pode estar localizada em um pequeno segmento do corpo cavernoso como, também, comprometer várias partes ou todo o corpo cavernoso. A dor que acompanha a Doença de Peyronie ocorre geralmente durante a ereção prejudicando o ato sexual. Em casos mais avançados, a placa pode originar curvatura peniana impedindo a penetração vaginal. Quando o comprometimento dos corpos cavernosos é extenso, a ereção fica impossível.

Como o médico faz o diagnóstico?


Geralmente o diagnóstico é simples, feito através das queixas do paciente e da palpação da placa. Poucas doenças podem ocasionar achados semelhantes aos da Doença de Peyronie. Por exemplo: estenose de uretra, trombose de corpos cavernosos, tumores penianos e fibrose pós-traumática.

Como se trata?


Como é uma doença de etiologia desconhecida, o tratamento eficaz também é ignorado. Naqueles casos assintomáticos e sem curvatura peniana, o tratamento conservador (somente observar o paciente) está indicado.

Quando existem sinais de progressão da placa, dor ou curvatura mínima pode-se optar por drogas administradas via oral (vitamina E, potaba, colchicina) ou injetáveis na placa (esteróides, verapamil, colagenases).

Se houver curvatura peniana significativa com impossibilidade de penetração vaginal, o tratamento é cirúrgico . A cirurgia realizada é a de Nesbit e consiste na plicatura do corpo cavernoso oposto à placa, retificando o pênis. Algumas técnicas fazem a retirada da placa fibrótica e sua substituição por outro tecido normal. Nos casos de curvatura severa ou ausência de ereção, a única solução é a utilização de próteses penianas.

Como se previne?


Não há prevenção conhecida.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico


O que causa a doença de Peyronie?
Como eu "peguei" isso?
Esta é uma doença maligna?
Tem cura?
É transmissível?

> Médicos espanhóis fazem reconstrução completa de pênis. (junho de 2008)

Mil pênis com câncer são amputados por ano no Brasil. (julho de 2009)

Comentários

  1. quero saber se o perony produz disfunçao ,sexual????

    ResponderExcluir
  2. meumarido tem 46anos e tem PEYRONIE e isto complica a vida dagente ele fica nervorso porque a ereçao nao e como antes onde posso leva-lo para cirurgia pois a 6 meses faz tratamento com urologista e ele nao resolveu o poblema estou preocupada com meu marido tenho medo do pior pode vir porfavor mim der resposta

    ResponderExcluir
  3. tenhu esa doença desde de pequeno e queria sabe r quanto custa a cirurgia ou ser for necessario medicamntos?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica