Pular para o conteúdo principal

Infecções podem estimular o avanço do Alzheimer, diz estudo

do Portal Terra

Um estudo britânico sugere que infecções e processos inflamatórios podem acelerar a perda de memória em pacientes que sofrem de Alzheimer. A pesquisa, publicada na edição mais recente da revista científica Neurology, afirma que pessoas que apresentaram infecções respiratórias, gastrointestinais ou apenas hematomas causados por uma queda registraram um aumento no nível de uma proteína inflamatória chamada de fator de necrose tumoral (TNF, na sigla em inglês).

O excesso da substância pode implicar em piora no quadro do Mal de Alzheimer e estimular o avanço da doença. Os pesquisadores da Universidade de Southampton acompanharam 222 idosos, com idade média de 83 anos e diagnosticados com a doença, durante seis meses.

Os cientistas observaram que, entre os participantes, 110 desenvolveram um total de 150 infecções em áreas como os pulmões, o trato urinário, os intestinos e o estômago. Os resultados indicam que os pacientes que apresentaram mais de uma dessas infecções durante o período de um semestre haviam dobrado o ritmo de perda cognitiva em comparação aos que não apresentaram infecções.

Segundo os cientistas, isso pode ocorrer porque as infecções aumentam o nível de TNF no sangue, o que afetaria a aceleração da perda de memória.

Os resultados indicaram ainda que os pacientes que já apresentavam níveis altos de TNF no sangue no início da pesquisa - o que poderia indicar uma inflamação crônica - apresentaram perda cognitiva quatro vezes mais aceleradas do que os pacientes que não tiveram inflamações.

"Quanto pior a infecção, pior o impacto na memória", disse Clive Holmes, que liderou o estudo. "Alguns podem pensar que pessoas que sofrem perda cognitiva em ritmo mais acelerado são mais suscetíveis à infecções ou machucados, mas não encontramos nenhuma prova que indique que pacientes com demência mais severa correm mais risco de sofrer infecções, no início de nossa pesquisa", afirmou Holmes.

Segundo o pesquisador, se estudos posteriores indicarem que o TNF está causando mais inflamações no cérebro, pode ser possível usar medicamentos que bloqueiem o TNF em pacientes de demência.

De acordo com Susanne Sorensen, chefe de pesquisa da Alzheimer Society, o estudo "representa um passo importante na compreensão sobre os processos que ocorrem no início do mal de Alzheimer".

"Sabemos que pode existir uma relação entre os processos inflamatórios e o Alzheimer, mas isso ainda não foi compreendido em sua plenitude", afirmou Sorensen. Segundo ela, enquanto as relações não forem esclarecidas por completo, é importante que pacientes que sofrem de Alzheimer e seus enfermeiros tratem as infecções de maneira séria e procurem ajuda médica.

Para Rebecca Wood, executiva-chefe da ONG Alzheimer Research Trust, que trabalha na pesquisa da doença, o estudo é "fascinante" e mostra que infecções e inflamações podem estar relacionadas a perda de memória em pacientes com demência. "Precisamos de mais pesquisas sobre esse e todos os aspectos da doença para entender suas causas", afirmou Wood.

Informações sobre o mal de Alzheimer.    > Vida de idoso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…