Pular para o conteúdo principal

Estudo mostra que ex-casados passam por piora na saúde física

Estudo sugere que o estresse físico da perda do cônjuge continua muito tempo depois que as feridas emocionais se curam

por Tara Parker-Pope, do New York Times

Pessoas casadas tendem a ser mais saudáveis que solteiros. O que acontece, porém, quando um casamento acaba?

Uma nova pesquisa mostra que, quando casados ficam solteiros, por divórcio ou morte do cônjuge, eles passam por uma piora na saúde física, da qual nunca se recuperam, mesmo se casarem novamente.

divorcio Em termos de saúde, não é melhor ter casado e se separado do que nunca ter se casado. Pessoas de meia-idade que nunca se casaram têm menos problemas de saúde crônicos do que divorciados ou viúvos.

Essas descobertas, feitas a partir de um estudo americano com 8.652 homens e mulheres na casa dos 50 e início dos 60 anos, sugerem que o estresse físico da perda do cônjuge continua muito tempo depois que as feridas emocionais se curam.

Isso não significa que as pessoas devam permanecer casadas a todo custo, mas mostra que o histórico conjugal é um importante indicador de saúde e que os recém-solteiros devem tomar cuidados especiais com o estresse e os exercícios físicos.

"Quando seu cônjuge está ficando doente ou perto de morrer ou seu casamento está piorando e perto de acabar, seu nível de estresse sobe bastante", diz Linda Waite, professora de sociologia da Universidade de Chicago e autora do estudo publicado na edição de setembro do "Journal of Health and Social Behavior". "Você não dorme bem, não consegue se exercitar, sua alimentação piora."

Os benefícios à saúde promovidos pelo casamento, documentados por várias pesquisas, parecem surgir de vários fatores. Pessoas casadas tendem a estar numa situação financeira melhor e podem desfrutar dos benefícios de saúde do empregador do cônjuge. As mulheres, em particular, atuam como guardiãs da saúde do marido, agendando consultas e notando mudanças que podem sinalizar um problema de saúde.

No estudo, entre as pessoas estudadas, mais da metade ainda estava casada com o primeiro cônjuge. Cerca de 40% tinham se divorciado ou enviuvado -sendo que metade desse grupo tinha se casado novamente. E 4% jamais se casaram.

No geral, homens e mulheres que passaram por um divórcio ou pela morte de um cônjuge apresentaram 20% mais problemas crônicos de saúde, como doenças cardíacas, diabetes e câncer, em comparação aos que sempre estiveram casados.

Apesar de novos casamentos terem melhorado a saúde, a maioria dos casados que viraram solteiros nunca se recuperou completamente das pioras ligadas à perda do cônjuge.

O estudo não prova que a perda de um casamento causa problemas de saúde, mas confirma que ambos estão associados. Pode ser que as pessoas que não se exercitam, se alimentam mal e não conseguem administrar o estresse também são aquelas com maior tendência ao divórcio. Ainda assim, pesquisadores notam, pelo fato de esses efeitos serem observados tanto em divorciados quanto em viúvos, que os dados sugerem uma relação causal.

Conflitos

Cientistas da Universidade de Ohio estudaram a relação entre conflitos conjugais e respostas imunológicas. Os pesquisadores recrutaram homens e mulheres casados, que foram submetidos a um aparelho de sucção que deixava oito pequenas bolhas no braço. Os casais então participaram de vários tipos de discussão (algumas positivas e outras focadas num assunto conflituoso).

Após um conflito conjugal, as feridas levaram um dia a mais para se curar. Entre os casais com altos níveis de hostilidade, a cura da ferida levou dois dias a mais. "Se você não pode consertar um casamento, é melhor sair dele", diz a autora do estudo, Janice Kiecolt-Glaser.

> Não precisa casar. Sozinho é melhor. (junho de 2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…