segunda-feira, 29 de junho de 2009

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escolhas
Título original: A traição da psicologia social (14 de maio de 2012)

 Só quem perdeu a esperança de ser virtuoso deveria falar sobre moral.
Título original: A inveja das moscas (23 de abril de 2012)

Facebook potencializa a banalidade da nossa falta de afeto.
Título original: Narcisismo do 'Face' (16 de abril de 2012)

Origem da religião: ensinamentos dos nossos ancestrais monstruosos.
Título original: A origem da religião na pré-história (9 de abril de 2012)

Olhavam para o céu, mas nenhuma voz saia daquela imensidão vazia.
Título original: Páscoa (2 de abril de 2012)

Classe média treme em surtos de eterno puritanismo.
Título original: As filhas da desgraça (26 de março de 2012)

Homens em crise existencial acabam ficando sozinhos.
Título original: Síndrome de Schmidt (19 de março de 2012)

Bruxas se diziam cristãs puríssimas e hoje são chamadas de místicas.
Título original: Domingão no parque em 1310 (12 de março de 2012)

Decidi mudar. Em breve serei amante das rúculas e alfaces
Título original: Conhece-te a ti mesmo (5 de março de 2012)

Por que pessoas estudam religião em vez de simplesmente vivê-la?
Título original: Por que estudar religião? (20 de fevereiro de 2012)

 Sempre nutri um interesse específico por almas penadas.
Título original: Senhorita Christina (6 de fevereiro de 2012)

O comunismo matou mais gente que o nazismo.
Título original: A mulher, o bebê e o intelectual (30 de janeiro de 2012)

Freud está perdoado porque nem o exu compreende as mulheres.
Título original: "Seu Catatumba" (23 de janeiro de 2012)

Como tudo que é luxo, o 'não' é difícil de achar, de cultivar, de sustentar.
Título original: A dor na face (16 de janeiro de 2012)

A pior tragédia do adultério se dá quando o traído é inocente.
Título original: Francesa (9 de janeiro de 2012)

Kafka tinha razão: todo amante da burocracia tem cara de rato.
Título original: Feliz Ano-Novo, Kafka (2 de janeiro de 2012)

Ateísmo como conquista da razão é ideia risível.
Título original: Saudades de Deus (26 de dezembro de 2011)

Nossa heroína não gostava do velho feio que berrava sobre 'espíritos'
Título original: Natal (19 de dezembro de 2011)

Hitchens defendia o combate à nefasta influência de Deus na sociedade.
Título original: Ateu polêmico vai fazer falta (17 de dezembro de 2011)

Uma cultura dominada pela ideia de felicidade é uma cultura de frouxos.
Título original: Marketing do Desejo (12 de dezembro de 2011)

Achar a Europa o máximo é coisa de gente caipira e brega.
Título original: Vira-latas (5 de dezembro de 2011)

Marques de Sade ficaria horrorizado com o que fizeram com sua filosofia.
Título original: Sadômasô sustentável (28 de novembro de 2011)

Ciências humanas e seus 'atores sociais' viajam na maionese.
Título original: O erro de Foucault (21 de novembro de 2011)

Beleza artificial é uma batalha discreta contra o vazio do corpo e da alma.
Título original: Ontologia leviana dos seios (14 de novembro de 2011)

E as alunas violentadas da USP? Devem chamara o fantasma de Foucault?
Título original: Geração Capitão Planeta (7 de novembro de 2011)

Lugares sagrados de Jerusalém viraram uma Disneylândia de Jesus.
Título original: Disneylândia de Jesus (31 de outubro de 2011)

Terroristas muçulmanos destruiriam Israel se pudessem.
Título original: A questão judaica (24 de outubro de 2011)
Título original: A cosmética (17 de outubro de 2011)

Uso da beleza como instrumento de vida não é necessariamente canalha.
Título original: A ética de Eva (10 de outubro de 2011)

Dor do parto é parte do plano de opressão às mulheres?
Chapeuzinho vermelho sem lobo mau (3 de outubro de 2011)

Busca por uma espiritualidade light é como a busca por marca de jeans.
Título original: Religião sustentável (26 de setembro de 2011)

Grande parte do nosso amor familiar é apenas protocolo social.
Título original: Protocolos do afeto (19 de setembro de 2011)

Liberdade, igualdade e fraternidade: slogan de dar inveja a publicitário.
Título original: Marketing francês (12 de setembro de 2011)

Sempre foi comum na Uganda matar, cortar órgãos e queimar pessoas
Título original: A África de Naipaul (5 de setembro de 2011)

Por que temos de ser uma espécie assim tão infeliz?
Título original: Cadastro Thanatos (29 de agosto de 2011)

Muitos se acostumaram a ser tratados pelo Estado como bebês.
Título original: Os sem-iPad (22 de agosto de 2011)

A graça é generosa e a natureza torna todos escravos de sua fisiologia.
Título original: Natureza e graça (15 de agosto de 2011)

 Se os melancólicos tiverem razão, não há esperanças para nós.
Título original: Os infortúnios da melanconia (8 de agosto de 2011)

Pessoa que acredita plenamente nela mesma é perigosa, diz Pondé.
Trecho de uma palestra recente de Pondé

Criar órgãos de controle da mídia baseados em ideias vagas é fascismo.
Título original: Anões balivarianos (1 de agosto de 2011)

Crentes e ateus matam, mentem e roubam da mesma forma.
Título original: Ler ou não ler, eis a questão (25 de julho de 2011)

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'.
Título original: Tentação totalitária (18 de julho de 2011)

Como achar uma mulher gostosa sem pensar nela como objeto?
Título original: Objetos (11 de julho de 2011)

Sem a tensão do pecado, esquerda é pior que o cristianismo.
De entrevista à Veja: Santos entre taças de vinho (13 de julho de 2011)

Pecado é no fundo uma paixão pela aniquilação de si mesmo.
Título original: O sol sobre o pântano (4 de julho de 2011)

É um absurdo o Brasil ficar sustentando Paraguai via Itaipu.
Título original: Não existe almoço de graça (27 de junho de 2011)

Filme de Bergman capta a falta de sentido da paixão romântica.
Título original: Marianne (20 de junho de 2011)

Nunca ter amado é uma forma terrível de ignorância.
Título original: Meu irmão Kierkegaard (13 de junho de 2011)

Em jantar inteligente, rico é bem-vindo e pobre fica na cozinha.
Título original: Jantares inteligentes (6 de junho de 2011)

Todos têm medo de dizer qualquer coisa que não seja 'gay é lindo'.
Título original: "Leave the kids alone" (30 de maio de 2011)

Classe média exalta sua 'dignidade', mas ninguém sobrevive sendo digno.
Título original: Flagelo da classe média (23 de maio de 2011)

Sangue menstrual é a nova forma de afirmação para algumas mulheres.
Título original: As Bacantes (16 de maio de 2011)

Tortura do fundamentalismo religioso é muitas vezes silenciosa e invisível.
Título original: Fetiche intelectual (9 de maio de 2011)

Fêmeas não suportam homens pobres, fracassados e deprimidos.
Título original: Do batom vermelho no trabalho (2 de maio de 2011)

O problema é o forte viés teocrático que cobre a mulher com burca.
Título original: A burca (25 de abril de 2011)

Consciência social hoje é a essência do marketing dos bancos.
Título original: Pão com manteiga (18 de abril de 2011)

Espécie humana desaparecerá sem deixar 'fóssil' do seu fracasso afetivo.
Título original: Nós, os pterodátilos (11 de abril de 2011)

Por que existem guerras? Porque gostamos de matar.
Título original: O parque temático do bem (4 de abril de 2011)

A verdade é que todos nós babamos em silêncio por dinheiro e sucesso.
Título original:  Só os neuróticos verão a Deus (28 de março de 2011)

Não existe sexo de graça: ou se paga com dinheiro ou com a alma.
Título original: O delicioso perfume de Emma Bovary (21 de março de 2011)

Todo mundo tem baixa autoestima por falta de grana, afeto e saúde.
Título original: Vigília (14 de março de 2011)

Mania de querer felicidade é uma praga e nos deixa retardados.
Título original: Deus me livre de ser feliz. (7 de março de 2011)

O que conta é a virtude de cada um como ação num mundo sem honra.
Título original: A ganância da honra (28 de fevereiro de 2011)

Homens que chamam as mulheres de 'vítimas sociais' são frouxos.
Título original: "Femmes aux hommes" (21 de fevereiro de 2011)

Hoje são os homens que esperam pelo príncipe encantando.
Título original: No osso (14 de fevereiro de 2011)

Jovens da 'revolução do quibe' querem emprego, não 'liberdade'.
Título original: Quibes, queijos, vinhos  (7 de fevereiro de 2011)

Leitora, você namoraria o porteiro do seu prédio?
Título original: Adivinhe quem vem para o jantar? (31 de janeiro de 2011)

Universidade boa é coisa cara e brasileiro não tem dinheiro.
Título original: Casa Grande (24 de janeiro de 2011)

Só a rara beleza da coragem e da generosidade ilumina nossa escuridão.
Título original: Além da vida (17 de janeiro de 2011)

Só ingênuos e mentirosos podem confiar na bondade das crianças.
Título original: Vítimas (6 de janeiro de 2011)

'Traumas, obsessões e taras é que dão consistência a uma personalidade.'
Título original: Demônios no espelho (3 de janeiro de 2011)

Nada mais brega do que acreditar que você tem virtudes.
Título original: Dez passos pra usar bota branca (27 de dezembro de 2010)

Mulher bonita e inteligente quer muito mais do que simples dinheiro.
Título original: Ela voltou? (20 de dezembro de 2010)

Mundo é mais complexo do que nosso 'coração de estudante' imagina.
Título original: Terroristas (13 de dezembro de 2010)

Bope defende os direitos humanos. Só intelectual gosta de bandidos.
Título original: A democracia da caveira. (6 de dezembro de 2010)

Na agonia de diminuir as baixarias, estamos gerando meninos inseguros.
Título original: O filósofo Charles Harper. (29 de novembro de 2010)

Debate por camisinha é barulho por nada.
Título original: o mesmo. (25 de novembro de 2010)

Liberdade não é sinônimo de felicidade, é conflito, agonia, solidão.
Título original: Papai Noel (22 de novembro de 2010)

Tudo o que fazemos, quase todo o tempo, é para agradar a mulher.
Título original: A 25 mil pés (15 de novembro de 2010)

Com estas eleições, os EUA podem, finalmente, sair do 'surto Obama'.
Título original: A derrota de Obama (8 de novembro de 2010)

Querem democracia? Deixem a mídia em paz e aguentem o tranco.
Título original: Democracia (1 de novembro de 2010)

Otimismo, principalmente hoje em dia, é um desvio de caráter.
 Titulo original: Ancestralidade (18 de outubro de 2010)

Sou contra o aborto e sou intelectual, PhD. Vai encarar?
Título original: Vai Encarar? (11 de outubro de 2010)

Quem diz não gostar de dinheiro é geralmente uma falsa santidade.
Título original: Patético (4 de outubro de 2010)

Homem morre de medo de ser fraco diante da mulher
Título original: O casal Macbeth (27 de setembro de 2010)

As pessoas só valem pelo que servem para as outras.
Título original: Ética. (20 de setembro de 2010)

Mergulhadas em exigências infinitas, mulheres morrem a sós à janela.
Título original: Restos à janela. (13 de setembro de 2010)

Quem diz amar a humanidade geralmente detesta seu semelhante
Título original: São Paulo à la carte (6 de setembro de 2010)

O pior canalha pode dizer o jargão 'por uma sociedade mais justa'
Título original: A oliguarquia de esquerda (30 de agosto de 2010)

Temos medo de ser como quase todos: medíocres.
Título original: A abençoada (23 de agosto de 2010)

Virou praga a espiritualidade barata de ter de perder a vida para salvá-la.
Título original: Abel (16 de agosto de 2010)

O que afinal a mulher quer do homem? A lésbica sabe.
Título original: Duas evas (9 de agosto de 2010)

Democracia republicana tende a devorar o espaço moral.
Título original: A gula republicana  (2 de agosto de 2010)

Direito à felicidade é uma falácia; é a dor que nos adapta ao hostil.
Título original: Do ponto de vista da pedra (26 de julho de 2010)

O que importa na vida é a beleza que a ela somos capazes de dar.
Título original: Beleza espanhola  (19 de julho de 2010)

Sem 'abusar' da comida, bebida, tabaco e sexo, não vale a pena viver muito.
Título original: 100%  (12 julho de 2010)

A história é feita por poucos porque a maioria é medíocre.
Título original: A viúva e o cowboy (5 de julho de 2010)

Os afetos nos humanizam, e não as ideias.
Título original:  A medicina de Tchekhov  (28 de junho de 2010)

Quem gosta das putas?
Título original: Que gosta de putas. (21 de junho de 2010)

Calcular gases emitidos por vacas é loucura.
Título original: As moscas livres. (14 junho de 2010)

Marxista é como o pastor que vende Jesus e aceita cartão Visa.
Título original:  Sem esperança  (7 de junho de 2010)

Apaixonado não pensa bem: amor romântico é uma doença.
Título original: Heloisa  (31 de maio de 2010)

Uso da palavra 'energia' expressa delírios religiosos de consumo.
Título original: Os olhos do macaco  (24 de maio maio de 2010)

Conheço melhor a tristeza do demônio do que a alegria do mundo.
Título original: Misericórdia  (17 de maio de 2010)

Só gay e mentiroso não têm problema com mulher.
Título original: Marketing de comportamento (10 de maio de 2010)

Sexo e meninas são artigos vendidos nas feiras de periferia.
Título original: Meninas fáceis  (3 de maio de 2010)

Quando se trata do ódio em massa, pouco importa quem é culpado.
Título original: Sade de batina? (26 de abril de 2010)

O que importa é a coragem de fracassar da forma que escolhemos.
Título original: Um medieval com estilo (19 de abril de 2010)

A derrota pode ser necessária porque vencer sempre pode ser o inferno.
Título Original: "Mrs. Dalloway" (12 de abril de 2010)

A melhor sociedade é a sociedade na qual ninguém tem razão.
Título original: De 1984 a 2010 (5de abril de 2010)

Glauber Rocha poderá ser confundido com a lata de lixo do cinema nacional.
Título original: O olhar da câmara (29 de março de 2010)

A banalidade do mal nos beija na boca.
Título original: Anatomia (22 de março de 2010)

Não existe algo chamado 'multidão do bem', toda multidão é do mal.
Título original: Finesse (15 de março de 2010)

Mulheres só topam sexo oral porque são obrigadas?
Título original: Que falta faz uma pombagira... (8 de março de 2010)

Daqui a pouco, quem demitir gay poderá ser processado por homofobia.
Título original: Ai que tédio, digo eu (1 de março de 2010)

O sentido da vida se arranca das pedras e não dos céus ou das teorias.
Título original: A vida light (22 de fevereiro de 2010)

A verdadeira liberdade cobra preço, financeiro e existencial.
Título original: 'Tea Party' (15 de fevereiro de 2010)

Qualquer voz vinda do universo é fruto de seu cérebro doente.
Título original: A assinatura do vazio (8 de fevereiro de 2010)

O deus que causa a negação absoluta de qualquer esperança.
Título original: Um deus mau.  (25 de janeiro de 2010)

Quem crê na educação o faz para disfarçar o seu cotidiano ordinário.
Título original: O cochilo do demônio (18 de janeiro de 2010)

Aeroportos, aviões, hotéis e museus agora parecem liquidações de lojas.
Título original: Churrasco na laje em Paris (11 de janeiro de 2010)

Ditadura dos ofendidos.
Título original: O homem comum (1 de janeiro de 2010)

Ninguém vive em harmonia com a natureza.
Título original: O romantismo idiota de 'Avatar' (28 de dezembro de 2009)

Não há nenhuma grande inteligência em ser ateu.
Título original: Budista light (14 de dezembro de 2009)

Fracassados não pegam ninguém ou só as feias.
Título original: As feias e os covardes (7 de dezembro de 2009)

Muitos escravos livres se apressavam em comprar os seus escravos.
Título original: Arsênico (30 de novembro de 2009)

'O politicamente correto é coisa de retardado.'
Título original: 2012 retardados (23 de novembro de 2009)

Entre as pernas de uma mulher, só boas emoções nos esperam.
Título original: As razões do sexo. (16 de novembro de 2009)

Sonho de Obama é ser o primeiro presidente negro da Noruega.
Título original: A bolha (2 de novembro de 2009)

O pessimismo é um regulador de caráter.
Título original: Malone morre (26 de outubro de 2009)

Ninguém é repressor, mas todo mundo tem seu chicotinho à mão.
Título original: Os tais de valores (19 de outubro de 2009)

Mundo se torna óbvio quando se aposta na imbecilidade do bem comum.
Título original: A carne ética (12 de outubro de 2009)

Revolução sexual é puro marketing de comportamento.
Título original: A vovó de havaiana (5 de outubro de 2009)

É preciso coragem para enfrentar os gestores da 'mediocridade correta'
Título original: O terror no Éden (21 de setembro de 2009)

Problemas vêm da praga de todos quererem ter uma concepção de vida.
Título original: Entre Deus e o Diabo (31 de agosto de 2009)

Talvez me falte um pouco de afeto duradouro. 
Título original: Bartleby  (17 de agosto de 2009)

Viagra fez mais pela humanidade do que 200 anos de marxismo.
Título original: Carrascos sutis (10 de agosto de 2009)

Teoria de gênero é tão 'científica' como a defesa de milagres pela igreja.
Título original: A coisa que engatinha pela casa (3 de agosto de 2009)

Há um conforto canalha em remeter ao nazismo qualquer tipo de monstruosidade.
Título original: Pequena sociologia do fungo (27 de julho de 2009)

Desejo hoje de ter sucesso tem a consistência de um gás venenoso
Título original: Todos somos losers. (6 de julho de 2009)

Só a coragem pode desafiar o hábito do fracasso
Título original: O Cálice (29 de junho de 2009)

Não existe gente bem resolvida, só gente indiferente
Título original: Cama sua (15 de junho de 2009)

Por que supor que movimentos de jovens são sempre ‘coisas do bem’?
Título original: Antígona (22 de junho de 2009)

Se for em busca de religião, evite aquelas que têm menos de mil anos.
Título original: Uivando para a lua. (1 de junho de 2009)

A experiência da culpa é que tira o homem da banalidade do mal.
Título original: De joelhos (11 de maio de 2009)

Os idiotas venceram e impõem ao mundo suas estratégias de sucesso.
Título original: De homens e ratos. (25 de maio de 2009)

Existem pessoas que imaginar salvar o mundo comendo alface.
Título original: O cigarro de Sade. (13 de abril de 2009)

 A lengalenga politicamente correta estimula a covardia estética.
Título original: Gran Torino (30 de março de 2009)

Relativismo cultural é blablablá que só funciona em conversa de bar.
Título original: Blablablá (2 de março de 2009)

Educação sexual nas escolas é terrorismo.
Titulo original: Terrorismo sexual (26 de janeiro de 2009)

Espírito coletivo detesta a liberdade, que nem sempre é bela.
Título original: O vírus fascista (22 de setembro de 2008)

64 comentários:

  1. Meu comentário é sobre o quadrinho do Paulopes weblog, o da chamada ao lado. O que me deixou intrigado é que as notícias são sempre pesadas diginas de indignar quem as vê. São frases curtas, fortes, frias e desapaixonadas, há um dramatismo sensacionalista para estudantes e intelectuais contemporâneos. Oculto ali tem isso, bem nas entrelinhas das chamadas.

    ResponderExcluir
  2. Uma resposta coletiva a Luiz Felipe Pondé:
    http://neopelucias.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Rapaz, um monte de gente usa o teu blog pra ler os textos do Pondé. Para de mudar os títulos, coloca as datas certinho. Please

    ResponderExcluir
  4. Pondé eu adoro o teu politicamente incorreto. So assino a Folha na 2º feira para ler a sua Crônica. Faz muito a minha cabeça. Vc. escreve o que muita gente gostaria de falar e não tem coragem N a Saraiva e na Martins Fontes não tem o teu livro Tome providência pq. preciso pedir pela internet e demora 3 dias para chegar. Mercedes Piai.

    ResponderExcluir
  5. Puxa, arrumou mesmo os títulos. valeu! Parabéns por fazer o trabalho que eu não tive coragem de fazer, que é reunir num blog os textos dele!

    ResponderExcluir
  6. "Uma resposta coletiva a Luiz Felipe Pondé"

    Haha

    Os manés não se garantem sós mesmo. Acham que, por serem um bando, estarão certos, quando nenhum deles tem coragem nem capcidade intelectual de contrapor de fato hehe

    ResponderExcluir
  7. Lixo neoliberal sionista... tenho pena e nojo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário de um esquerdista que acha que vai mudar o mundo sem ler coisa alguma. "Marxistazinho."

      Excluir
    2. E o pondé vai? O pondé é a voz da elite tentando errebanhar as pessoas que se acham intelectualizadas demais para se preocupar com a sociedade da qual faz parte. Acorda amigo, o pondé não quer mudar, a voz dele é para deixar tudo como está. Se o ser humano olhasse para mediocridade da sua sociedade e não tentasse mudá-la, ainda estaríamos na idade média( se não na das pedras)

      Excluir
  8. Muito obrigada por postar os textos de Ponde!

    ResponderExcluir
  9. Por que as pessoas, em especial aquelas que fazem críticas ao textos do Pondé insistem no anonimato? (Perguntinha retórica, não? rs)

    ResponderExcluir
  10. muito bom! obrigado por postar os textos do Pondé, nem toda semana posso comprar a Folha.

    ResponderExcluir
  11. Descobri o Pondé após assisti-lo na Globo News.Graças a Deus! Estou com o politicamente correto (e frouxo) dessa gente saindo até pelas orelhas!
    Em meio a tanta covardia ,é um alívio poder lavar a alma com a mais despudorada verdade.

    ResponderExcluir
  12. Marcelo Alves de Lima18 de junho de 2011 00:46

    O Brasil orgulha-se de ter um filósofo moderno que realmente presta serviços de grande relevância para o mundo acadêmico e até para a sociedade,este filósofo é o professor Luis Felipe Pondé.
    Aproveito este espaço para convidar o professor e os comentaristas para acessar o meu blog:
    http://ajoveplouvorqueliberta.blogspot.com/p/artigos.html uma forma de estabelecer o diálogo

    ResponderExcluir
  13. Marcelo Alves de Lima18 de junho de 2011 00:48

    Faço questão que todos os jovens leiam e debatam alguns temas de meu blog

    http://ajoveplouvorqueliberta.blogspot.com/p/artigos.html leiam e de seus comentários

    ResponderExcluir
  14. Paulo, por que não começa a colocar, aos poucos, os textos do Pondé que saíram no Estadão e outros locais? Aqueles viados que montaram o blog dele tiraram tudo. Aqui o pessoal vem ler direto. Coloca ai.

    Abraço

    ResponderExcluir
  15. Eu já perdi 4 amigos por causa do Pondé. E acho que vou perder mais. Pondé me fez encarar algumas verdades sobre mim mesmo que eu insistia em não ver e nada incomoda mais que uma pessoa que assuma a verdade sobre si mesmo.


    Busca os outros textos dele. Aqueles caras daquele "Pensamento no Deserto" são umas bichas mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Caro Luiz Felipe Pondé humildemente pergunto: como você pode falar que é um filósofo e psicanalista e escrever umas porcarias destas e dizer que é alguma coisa?
    Você é um charlatão, hipócrita e idiota. Não falo isto porque sou lésbica e mulher, mas sim porque sou ainda um ser humano e não sou histerica porque quem é histerico é o senhor que escreve essas porcarias para alimentar seu enorme ego, e não sou um Objeto e muito menos um pedaço de carne. Eu sinto coisas por você como nojo, raiva e só uma coisa não preciso de homens para sentir prazer , principalmente homens como você que diz que sentem um enorme amor nós mulheres, homens que batem, estupram e assediam dizendo que nos amam .NOSSA QUE AMOR
    MEU NOME É JANAINA CRISTINA ASSOLARI TENHO 17 ANOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaina, você o desqualifica, mas é uma perdedora que não aguenta ler verdades.

      Excluir
    2. E ainda diz que não é histérica... Kkkkkkkkkkk. Histérica e sem argumentos: "Histérico é você!!!"

      Excluir
  17. Alô classe média C, crescida do Lula: aproveite a ocasião para adquirir algum verniz intelectual, mesmo odiando o Pondé. Deixem o Faustão para a classe D. A Chuai parou de dizer suas besteiras, o Mainardi se exilou em Veneza. Só sobrou ele. Joguem bosta na Geni da hora.

    ResponderExcluir
  18. hahahahaha
    Engraçado o comentário da lésbica acima. Deve ter cutucado fundo a ferida. Passa merthiolate, filha! Feridas todos temos.

    ResponderExcluir
  19. pessoal mente falando,axu q o debate e o conflito de ''ideias'' é bem instigante às relaçoes humanas,sendo imprecindivel para q haja um minino de reflexao moral.agradeco ao pondé e os demais q tornam isso mais consistente,plausivel e esclarecedor.

    ResponderExcluir
  20. eu acredito que esse filosofo é extraordinário gosto de seus pensamentos, parabens luis felipe ponde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que filosofo é uma palavra forte para Luis Felipe Ponde. Eu só o o chamaria de filosofo ironicamente.

      Excluir
    2. Pondé é um filósofo, de fato. Acho que você, Cássia, que não entende muito sobre filosofia e ciências humanas, de modo geral.

      Excluir
  21. Sinceramente não entendo toda a glorificação desse sujeito. Admito que só o conheço pela Folha, mas se o consideram tanto somente pelos seus escritos nesse jornal, também tenho o direito de, somente por esse aspecto, considerá-lo alguém mediocre. Orgulhoso, esnobe e extremamente medíocre. Bela contradição.
    Se ele é um filósofo, então qualquer dono de boteco o é. Seus textos nada são do que uma tentativa ridícula de ganhar fama pela polêmica. Além da sua escrita deficiente, com frases muitas vezes desconexas, ainda apresenta como argumentos os mais tolos dos lugares comuns, maquiados com um intelectualismo que não é só "pseudo", como também torpe, grosseiro.
    Ele pode ter o conhecimento, mas não tem a sabedoria. Não sou nenhuma patrulhadora do politicamente correto- na verdade, acho essa mania chatíssima e hipócrita. Mas Pondé utiliza-se da crítica contra este que é muitas vezes instrumente de camuflação da realidade para simplesmente destilar ignorância.
    Não irei aqui comentar cada argumento do Pondé que considero falacioso ou ignorante. Até porque cada vez mais acredito que essa sua ignorância é na verdade apenas um instrumento para criar polêmica. Para se passar de provocador a todo custo.
    Mas vamos lá, criaturas, escolham alguém melhor como ídolo. E, Folha, escolha um colunista que esteja ciente de seu papel de formador de opinião e que fale sim o que pensa, sem as correntes do politicamente correto, mas que apresente argumentos convicentes para as suas opiniões. Mas alguém que, desculpem-me a expressão, não se ache o fodão, apenas por não sucumbir ao "senso comum". Well, má notícia para você, Pondé: seus textos não poderiam estar mais recheados de clichês idiotas.
    Admito, entretanto, que nem tudo o que ele escreve é assim tão desastroso. Sim, na verdade, concordo com uma parte de suas opiniões. Acho alguns de seus textos lúcidos. Porém, mesmo assim, não vejo grandeza alguma. São opiniões muitas vezes simplórias. E argumentos algumas vezes bons, mas imagino que um filósofo com a vasta formação que ele tem poderia surpreender mais, clarear campos obscuros, iluminar a nossa consciência para assuntos confusos. A impressào que eu tenho nas vezes em que concordo com Pondé é simples: ah, legal, também acho isso. E só. Não há surpresa por algum brilhantismo, por alguma clareza desconcertamente, por alguma revelação.
    Então é isso. Para mim, ora Pondé é ignorante, ora simplório em seus escritos. Essa avaliação minha se baseia no que leio na Folha, repito. Não o conheço em outras áreas, e depois do que vi, nem tenho o interesse. O cúmulo da hipocrisia é alguém que a critica sendo ele mesmo hipócrita. Penso assim que o Pondé é esta rara criatura que eleva ao quadrado a hipocrisia.
    É isso. Só mais duas pequenas, talvez desnecessárias e apelativas, considerações:
    1- Tenho quinze anos e acredito que consigo fazer uma análise crítica de Os Irmãos Karamazóvi, de Dostoviéski, de forma mais profunda que Pondé. Pra vocês verem o nível do cara.
    2- Uma mensagenzinha do Caetano Veloso especialmente para o Pondé: "(...)vê tanto espírito no feto, e nenhum no marginal". Sério, encaixa tão perfeitamente para ele.
    3- Se o Pondé é admirável no círculo filosófico só posso supor que ele se metamorfoseie numa ameba quando escreve para a Folha. E que a Folha goste da sua anencefalia.

    Tudo bem, exagerei um pouco na terceira colocação. Como já disse, não são todos os artigos de Pondé ignorantes. Mas os que são apresentam tal grau de babaquice que faz com que os "normais" também pareçam lixo.
    Agora pronto. Desculpem pela desenfreiada falação. Só que irrita ver ele tão elogiado na Veja, e depois encontrar na internet toda uma legião que consegue milagrosamente ver alguma genialidade nessa criatura.

    Para ninguém reclamar do meu anonimato:
    Leonora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deu toda a razão ao que ele sempre escreveu. Simples assim.

      Excluir
    2. Menina, vc chama o Pondé de arrogante mas a sua arrogância chega aos píncaros nesse seu comentário.

      Você diz ter apenas 15 anos e não conhecer nenhum outro texto ou trabalho do Pondé fora o que ele escreve para a Folha e se acha mais competente que ele para analisar uma obra de Dostoievsky? Sério?

      Se você não conhece nada do trabalho dele, não sabe que o cara tem anos de estudo em Dostoievsky, por exemplo, e é extremamente respeitado fora e dentro do Brasil por seu conhecimento sobre o escritor. Como vc acha que pode se considerar mais capaz do que ele?

      Tenha dó! Acho que vc está precisando de um espelho, criança! Cresça primeiro antes de sair escrevendo tanta bobagem.

      Excluir
    3. Primeiro, você não apresenta nenhuma argumento contrário às ilações dele. Limita-se simplesmente a (des)qualificá-lo.

      Segundo, idade não é qualificação: se você tem 15 anos, e acha que pode fazer uma análise sobre Dostoiévski tão boa quanto ele, por favor, mostre que pode fazer!

      Terceiro: você tem quinze anos, acesso à internet (e, imagino ao google), e nem se dispôs a pesquisar o que o cara já escreveu... dá para ver quem é arrogante aqui!

      Excluir
    4. Leonora
      Parabéns pelo comentário.
      Também não vejo genialidade nenhuma nele.
      O principal fator é Eu esperava MUIITO MUIIITO mais de alguém com a formação dele. Os textos que ele escreve são mediocres, dá para aproveitar alguma coisa ou outra não discordo de tudo, mas em geral deixa a desejar.

      Excluir
    5. Leonora, você foi ótima na sua avaliação! É exatamente isso, o Ponde se diz filósofo, mas não clareia a mente de ninguém, ou as pessoas concordam com o que ele escreve por puro fanatismo político, ou as pessoas percebem seu charlatanismo. Ele não convence, nem faz ninguém mudar de opinião. Se aproveita da patrulha politicamente correta e cria um sofisma em torno disso, conquistando pessoas de interpretação deficitária da língua portuguesa.
      Simplesmente um "sofismólogo"


      Um filósofo que se deixa iludir pelos rótulos
      Só pode ser um sofismólogo
      Como um professor de inglês que não conhecesse
      The verb to be...
      Ao menos a razão da incompetência nesta outra profissão
      Seria fiel a sua personalidade...
      Um filósofo sem genialidade
      É um mero político conveniente
      Distorce os galhos para explicar a raiz
      Manipula os fins para explicar os meios
      Altera os efeitos para explicar as causas
      Genial somente a imagem de aproveitador camuflada
      Para outros aparentáveis que não entendem absolutamente nada
      Genial porque se esconde das gargalhadas
      Nesses tempos de vacas magras...
      Um inveterado avesso à lógica?
      Um charlatão amante da discórdia?
      Um niilista que não compreende o próprio nada!
      Como fosse um realista tentando se aventurar no amor
      Um sofismólogo e seu aguado sabor
      Antes fosse assumido feito Paulo Francis
      Que ao menos tinha tempero no humor
      Eis naquelas linhas nouveau riche logo acima
      Um gênio que ainda respira
      Mais um narciso exuberante
      Introduz e manipula verdades
      Somente em seus fundos
      Como se já não víssemos o bastante...
      Com suas teses ocas e bitolantes
      Sem sabedoria, eis um mero erudito agonizante
      Por essas mais bem arejadas outras bandas
      Que não se rendem às palavras sem nexo
      Nem se vendem a qualquer vago semblante
      Simplesmente o reconhecem pelo gênio natural
      Sofismólogo, insosso e pedante

      Excluir
    6. E desde quando filósofo clareia a mente de alguém? Pelo contrário, é nosso objetivo complicá-la ainda mais.

      Excluir
  22. Corrigirei minha primeira colocação: tenho certeza que conseguiria fazer uma análise de Dostoiévski TÃO profunda quanto Pondé. E isso porque ela não é profunda, nem inteligente.
    Agora, ACHO que eu conseguiria fazer algo melhor. Mas não é algo que eu possa afirmar, senão caio no risco de estar utilizando falácias assim como quem critico. Me abstenho de utilizar esse argumento até que eu realmente tenha escrito algo sobre Dostoiévski.
    Leonora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa moça, Leonora, criticou o Pondé. Na verdade, não o criticou, apenas o desqualificou sem conhecê-lo. O problema, cara Leonora, é que se Pondé escreve num Jornal, ele não pode se aprofundar em vários assuntos, pois tal meio de comunicação possui um público plural.
      A senhorita diz que as frases de Pondé são desconexas, mas sua habilidade com a norma culta também é péssima. Outra coisa, você tem 15 anos, nem entrou numa faculdade de qualidade. Então seja mais humilde e pare de dizer falácias, merdas e idiotices. Percebo que precisa mesmo é de um carinho de um homem.
      Um abraço.

      Excluir
    2. Putz cara, esse final: "Então seja mais humilde e pare de dizer falácias, merdas e idiotices. Percebo que precisa mesmo é de um carinho de um homem.
      Um abraço." (citado pelo anônimo acima) te deixa na mesma condição de quem vc critica. lamentável...

      Excluir
  23. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé.
    O tema básico que me chamou a atenção no livro. Foi o ensaio que fala da frustração dos homens em relação às "mulheres obsoletas". A velha guerra, a primeira e última da nossa espécie, provavelmente:

    "O problema é que sentimos que tudo o que queremos (atenção, cuidados, delicadeza, dedicação, ‘a janta’)
    Este é um homem absorvido em si mesmo e que espera receber tudo da mulher.
    Por quê? Porque sim. Porque antigamente era assim. Ele era rei e tinha todos os direitos, desde que sustentasse, mal ou bem, a mulher. Mas as coisas mudaram. Mesmo que um homem encontre uma mulher que queira ser sustentada, imaginando que ela será sua serviçal e provedora de sexo interessante, se engana. Os homens que insistem nisso vão sofrer sempre de "Ressentimento Agressivo". E nada mais corrosivo do que envelhecer com essa amargura: faz mal a si mesmo e a todos em volta.Ele
    esclarece seu pensamento, de maneira inequívoca: quer a mulher na cozinha e na cama. Pág. 37: "Essa realidade, essa sensação de injustiça cometida contra os homens, produz comportamentos de baixo investimento afetivo porque muitos de nós caímos na fobia. Isso nos estimula à canalhice por razões sociopolíticas: ‘hoje em dia a mulher tem não os mesmos direitos, mas mais direitos, logo, de mim, elas nao tirarão nada’. O cinismo, como sempre aparecerá na sua face profunda: ressentimento agressivo" (grifo nosso).

    Petição de direitos!

    Pois é! Os senhores de escravos também ficaram desorientados quando viram a cozinha vazia e a lavoura descuidada. Atendia-lhes bem a servidão do outro. Eles também se julgavam com todos os direitos. Afinal, compraram o escravo! E davam-lhe comida e teto. Mas não teve jeito. Tiveram que se adaptar aos novos tempos.

    Um professor, especialmente de filosofia, não deveria se permitir o uso de estereótipos e sofismas com tanta desenvoltura: mulher fala demais e se perde em detalhes, os homens são silenciosos e mantêm o foco (rs.); as mulheres são paranóicas e mercenárias e merecem homens canalhas porque a "injustiça" "gera comportamento de baixo investimento afetivo".

    Baixo investimento acontece quando falta capital. É melhor admitir que se tem pouco ou nenhum capital afetivo e lidar com isso. Pouco a dar, pouco a receber. É coerente com o tema do livro e parte de uma visão mais realista.

    Também não me parece lúcido justificar o comportamento canalha do homem, quando contrariado no que julga ser seus direitos. A pessoa é canalha por índole. "O normal é ser inseguro, mentiroso, covarde", o autor afirma em outro ponto. É por aí. É bom reconhecer como somos, sem culpar os outros.

    ResponderExcluir
  24. O ensaio fala ainda da falsa fragilidade feminina. Já nem sei o que é falso ou não nesses conceitos. Mas sei da realidade. Outro dia, estava jogando boliche, e minha filha me chamou a atenção para um dado no placar: a velocidade dos lançamentos das mulheres era, em média, um terço da velocidade dos lançamentos dos homens. Éramos quatro casais. Somos mais fracas fisicamente? É óbvio! Os hormônios exigem muito de nós em todas as fases da vida? Sim. A maternidade é uma carga tremenda que se prolonga por muitos anos e, muitas vezes, toda sua vida? Sim, de novo. Essas são razões para cobrar da mulher cuidados, dedicação, atenção e "a janta", em troca de uma "renda alta"? Não! É motivo para cercá-la de atenção, dedicação, cuidados.

    "Talvez o resumo da ópera seja: o homem precisa aprender a dizer ‘não’, assim como a mulher aprendeu. Ela diz ‘não’ para a cozinha, para a maternidade, para a virgindade, para a fidelidade, sob as palmas da cultura pós-moderna. Como uma liberta das amarras do passado, ela caminha solta em meio aos escombros de seus velhos papéis sociais. O homem precisa aprender a dizer ‘não’ para a mulher que se oferece sexualmente, para a suspeita sobre ele lançada de que não seja capaz de sustentá-la em (em todos os sentidos da palavra)" ― Essa é a triste conclusão do ensaio.

    Parece um texto escrito há cinquenta anos, pelo menos. Os homens ainda dizem “sim” a toda mulher que se oferece sexualmente? Só se ainda estiverem na puberdade. E não é isso que os homens tem de aprender! Ao filósofo caberia mostrar o caminho, e não lamentar que a “liberta” recuse as amarras do passado e seus velhos papéis sociais. O que não é inteiramente verdade, ainda. As mulheres dizem sim à maternidade. Quando disserem "não" de verdade, a humanidade acaba...



    continuação do texto acima de Marilia Mota silva sobre o livro de luiz Felipe Pondé "Contra um mundo melhor"

    ResponderExcluir
  25. Esse cara é que viaja!

    ResponderExcluir
  26. É chato ser infeliz ....
    É chato quando as feridas são colocadas na mesa...
    Cada um tem suas experiências pessoais é obvio q as opiniões nunca se encaixam sempre. Cada um com o seu ponto de vista ...
    Parem de olhar o próprio umbigo !! viagem se deixem levar em um mundo de diversas arestas e possibilidades, riam com isso .. não levem a sério , não levem para o pessoal , tudo é probabilidade e porcentagem ..
    Saiam de seus mundinho Micro ou Nano sei lá essa coisa pequena e pessoal ... experimentem sem culpa sem dor ... passem vacilina em certas coisas ,aí eu t garanto quando entrar não vai doer hehehehe ... Iaponã Andrade

    ResponderExcluir
  27. Não perco um texto sequer do Pondé. Os mais ardidos são os maiores candidatos a reflexão.

    Obrigado, Paulo Lopes, por reunir aqui os textos do Pondé.

    ResponderExcluir
  28. Por favor, o artigo do Pondé, desta semana não será postado?
    Aguardo ansiosamente, lê-lo?
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  29. Os artigos do filósofo Pondé, não serão mais postados?
    Quem responde?

    ResponderExcluir
  30. Sheila Nunes, Niterói.
    Não tinha conhecimento dessa página na Internet até o momento. Sou dos tempos das cavernas quando os livros e jornais era o que líamos.Li "Contra um mundo melhor" do Pondé indicado por meu psiquiatra, e em mim teve um efeito devastador. Tenho descoberto que a vida vai além da clausura das barras do manicômio, além dos ratos que se escondem junto às paredes.
    Divirto-me quando leio críticas contundentes e tão sentidas daqueles que o vêem como uma farsa. A ironia é a parte mais deliciosa desse prato, aliás, dos diversos pratos que é Pondé. Quem só vai a restaurante a quilo ou rodízios, não consegue apreciar o ir e vir de pratos de entrada, main course, side dishes, desserts. Tampouco consegue imaginar o balé do vai-e-vem dos garçons.
    Amo Pondé como amo José Saramago, Rosa Montero, Adélia Prado, Gabriel Garcia Marques, Rubem Braga.
    Pode parecer, por um momento breve, que ele vende sua alma por dinheiro, fama, reconhecimento, sei lá. Mas se observarmos commais cuidado, ele nos expõe ao se expor, por isso tão polêmico. Não tenham dúvidas: ele se enferma ao se expor tanto quanto nos enferma a nós. Sua função é espelho e esse lugar é solitário. Gostaria de ter sua coragem.
    O que encontrei em seu livro (vou devorá-los todos) e seus artigos na Folha (obrigada Paulo Lopes, que não conheço, mas que teve o cavalheirismo de digitalizá-los aqui)foi um olhar complacente.
    Sinceramente,
    Sheila Nunes

    ResponderExcluir
  31. Gosto dos textos de Pondé. Muitas vezes ele usa assuntos polêmicos para se autopromover, mais muitos de seus pensamentos são semelhantes ao de muitas outras pessoas,enfim só temos a acrescentar a nossa vida pensamentos inteligentes como o de Pondé.

    ResponderExcluir
  32. Pensamentos inteligente como sinal sonoro para soberba e ganancia de um modo geral e ele e tratado como o proximo para pilatos lavar as maos, tenha animo pois o que vive disse EU VENCI O MUNDO.

    ResponderExcluir
  33. Poxa, que português complicado, Anônimo Feb 28,2010 07:10PM. Gostaria de poder entender o que escreveu.
    por favor, poderia fazê-lo.
    Gratíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, o truque dele eh "intelectualizar" atraves de uma redacao complicada... e tambem chocar as pessoas eh um tipo de "arte" para ganhar dinheiro e poder depois sentar num apartamento chique em kensington e criticar os "coitadinhos" que sairam as ruas pra assaltar lojas. Ele provavelmente sempre teve babazinha escovando os dentes dele, precisa nascer denovo. E que audacia se incluir no grupo dos filosofos naquela foto!!! o cara eh muito cara de pau!!!

      Excluir
  34. Janaina Assolari parece que vc e que esta elogiando Ponde pq vc tem pensamento de 7 aninhos uma hora vc e sapatao outra hora vc e mulher, procura ajuda so vejo uma pq seu corpo nao te pertence, so momentaneamente vc e um altar de morada do espirito santo so ele para tirar toda as confusoes de agradar um mundo tao leviano feito por pessoas sutis em faze lo bjs

    ResponderExcluir
  35. cade a atualizaçãao da semana?

    ResponderExcluir
  36. Querido Paulopes,
    vc só publica os artigos do Pondé que aprova por alguma razão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou reduzindo a publicação de textos de terceiros no blog, só por causa disso.

      Excluir
    2. Parabéns Paulo Lopes pelas publicações dos artigos do Luis Felipe Pondé,mas estou sentindo a falta de vários artigos do Pondé no seu blog!só sei dizer que eu leio os artigos do pondé, já assisti as entrevistas dele, é muito bom ler os artigos do pondé.Continue Paulo Lopes! os artigos são excelentes,os leitores sentem amodio pelo pondé isso é esperado, continue Pondé, parabéns Paulo Lopes!

      Excluir
  37. As cadelas latem e a caravana passa... Ei Pondé: senta a pua! Por favor, continue metendo o pau nessa gentalha!

    ResponderExcluir
  38. Paulo,

    Mantenha a coluna do Pondé, por favor!

    Rugai

    ResponderExcluir
  39. Paulo mantenha os textos do Pondé

    outro anonimo

    ResponderExcluir
  40. Acho muito dos comentário dele bem colocados e inteligentes, mas não acho que ele seja dono da verdade.
    Tem gente aqui defendendo ele como se ele fosse o "iluminado".
    Aliás, engraçado como a forma ácida de expor idéias, não só dele como também de várias personalidades atuais, estejam repercutindo tanto ultimamente, principalmente entre nós jovens. Tem muita gente por aí dando uma de "paladino da liberdade de expressão" e apenas reproduz um monte de ideia que vê pela frente, sem criticar nem nada, apenas pelo prazer de se sentir incluído em um grupo de outros "paladinos ácidos" pseudointelectuais.

    ResponderExcluir
  41. Sua bichona, publique os textos do Pondé!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  42. Pondé, você é um "fofocósofo", maledicente, que vai aos jantares dos grã-finos e depois fica falando mal deles. Por que aceita os convites?

    ResponderExcluir
  43. Amigos
    Sou um escritor livre pensador e percebo que muitas pessoas querem a perfeição de pessoas influentes como o pondé que em minha opinão é um intelectual como outro qualquer mas não pode agradar a todos pq cada um tem suas carencias existenciais a preencher e nem tudo que serve a um serve a todos , como o lula ,há quem ache que ele é o autentico pai dos pobres outros o acham um ladrão oportunista e vc? é isso nada do que viemos a ler mudará o que somos ou do que precisamos ,podemos mudar nossos paradigmas em relação a uma coisa ou outra mas como li em um texto do próprio pondé ,conhecimento não é sabedoria ,sabedoria a meu ver é filtrar o que nos serve daquilo que lemos e o que não serve que sirva a outrem.
    abrs.

    ResponderExcluir
  44. Conheci um pouco do pensamento do Pondé ontem vendo um programa da Band News.

    Adorei quando ele disse que era contra as cotas raciais. Ele tem muito coragem e caráter para afirmar isso no contexto de neo-coitadismo onde o Brasil se imerge.

    Acho a maioria das críticas negativas aqui presentes foram feitas por afros-malandros que se aproveitam do discurso do coitadismo.

    ResponderExcluir
  45. Arrasou Leonora!!!! fico feliz em ver que em tao tenra idade o ser humano pode ser tao bom como essa menina! O Ponde somente precisa "get a life"...

    ResponderExcluir
  46. Apesar de aparentar qualquer dissidência política em relação ao marxismo cultural, Pondé é, na verdade, um dos maiores responsáveis pela propagação do ideário revolucionário da esquerda (Pondé só não se diz marxista, mas ele é niilista e freudiano, além de gnóstico declarado e, portanto, anticristão convicto). Pondé é Nova Era, e para ele tanto faz se nossos jovens estão ou não abandonados às drogas, à criminalidade e à promiscuidade sexual. Pondé, Clóvis Barros, Ghiraldelli e toda a turma da USP, UNESP e UNICAMP só querem saber de encher o próprio rabo com verbas públicas, para poderem fazer a apologia do gnosticismo, do materialismo, da libertinagem e da licenciosidade, pois são absolutamente avessos à liberdade humana e querem, isso sim, estabelecer em terras brasileiras uma escola filosófica que de filosofia não tem absolutamente nada. Não passam de uns picaretas canalhas que vivem às custas da universidade para difamarem os cristãos e lamberem os pés de qualquer político corrupto que estiver no poder e lhes garantir o direito de falar merda à vontade.

    ResponderExcluir