Pular para o conteúdo principal

Pele tem centenas de tipos de bactérias

por Ricardo Mioto, para a Folha

A diversidade que existe de bactérias na pele humana é muito maior do que se imaginava. Cientistas americanos contaram centenas de espécies por todo corpo. Fazer um censo bacteriano pode não ser o trabalho mais agradável do mundo, mas ajuda a entender doenças dermatológicas.

Espécies diferentes gostam de ambientes diferentes. Felizmente para as bactérias, existem vários "climas" pelo corpo.

"As axilas, por exemplo. São uma área úmida, com pelos. Elas estão bem perto dos nossos braços - mas eles são lisos e secos. São ambientes tão parecidos quanto florestas e desertos", escreveram os cientistas.

No país das bactérias não há muitos vazios demográficos: todas as áreas são povoadas. A região com menos espécies é atrás das orelhas. São aproximadamente 15. O antebraço é a parte mais cosmopolita: 44 diferentes tipos no mesmo lugar.

Os pesquisadores estudaram a pele de 20 partes do corpo de 10 voluntários, todos eles saudáveis. O estudo foi publicado na "Science".

Os cientistas levantaram a ficha de todas as bactérias analisando o seu código genético.
Assim, descobriram que partes iguais de pessoas diferentes tem mais bactérias em comum do que partes diferentes do corpo da mesma pessoa.

Ou seja, as bactérias que vivem atrás do seu joelho são muito semelhantes àquelas que moram na mesma parte do corpo do seu vizinho.

Mas não adianta tomar mais banhos. Bactérias sempre viveram conosco. Precisamos delas.

"Elas são nossas amigas na maior parte do tempo. A maioria das que estão na nossa pele são inofensivas e realizam atividades úteis para nós", disse à Folha Elizabeth Grice, do Instituto Nacional de Pesquisas do Genoma Humano, nos Estados Unidos, autora do estudo.

A saúde da nossa pele depende, na verdade, de um delicado equilíbrio entre as células do nosso corpo e os microrganismos que vivem nela.

"Parece que as pessoas estão preocupadas em travar uma guerra contra as bactérias, usando banalmente produtos antibacterianos e antibióticos. Esta provavelmente não é a abordagem mais saudável e nós deveríamos aprender a viver em harmonia com os micróbios dos nossos corpos", diz Grice.

É que antibióticos matam todo tipo de bactéria, incluindo as do bem. Quando essas bactérias inofensivas desaparecem, o espaço que ocupavam fica livre para ser invadido por bactérias que podem causar problemas.

Os cientistas querem, portanto, entender como manter uma permanente colônia de bactérias normais e saudáveis nas pessoas. Mas primeiro precisam saber bem quais, exatamente, são estas bactérias.

O próximo passo é analisar bactérias de doentes e ver que tipo de alterações ocorreram.

> 'Maconha produzida pelo corpo' faz bem à pele, diz estudo. (julho de 2008)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…