Espanha libera arquivo de fotos da Guerra Civi (BBC Brasil)

Por Anelise Infante, de Madri - O governo da Espanha resolveu tornar público um precioso arquivo de fotos para tentar elucidar detalhes de um dos episódios mais traumáticos da história do país: a Guerra Civil Espanhola (1936-1939).

Durante décadas, esse material, chamado de 'Arquivo Vermelho', confiscado pelos franquistas - que venceram a guerra, iniciada com um levante militar contra o governo republicano - permaneceu guardado.

São 3.051 fotos, a maioria tiradas em 1936, nos bombardeios sobre Madri. Muitas são de autoria desconhecida e as informações sobre elas se perderam com o tempo.

espanha_arquivovermelhoClique aqui para ver as fotos

O Ministério de Cultura resgatou o material, que publica no site do governo, não só para mostrar um acervo inédito, mas também para procurar esclarecer detalhes.

Ao lado de cada imagem (divididas em 29 categorias) aparece a opção “proporcionar informação”, que pode ser postada diretamente no site.

O objetivo é que os sobreviventes da guerra ou descendentes de testemunhas ajudem a reescrever a história com dados que desapareceram dos arquivos públicos.

As fotos foram feitas a pedido da Junta Delegada da Defesa de Madri. Faziam parte do material de propaganda do então governo republicano, e mostra ataques das tropas do general Francisco Franco e a resistência das milícias populares, formadas por socialistas, comunistas e anarquistas.

Com a vitória franquista e a conquista de Madri, o arquivo foi confiscado e ficou guardado até 1975, ano em que o ditador morreu.

O atual governo socialista do primeiro-ministro José Luis Rodriguez Zapatero se comprometeu a resgatar as recordações dos vencidos (o avô dele foi fuzilado na guerra lutando pelo lado republicano) através da lei da memória histórica.

O arquivo pode ser consultado através do site do Ministério da Cultura da Espanha.

> BBC Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil