Produção de alimentos x produção de energia: o desafio do século XXI (IHU On-line)


A crise alimentícia pode ser explicada pelo aumento da população mundial, pela concorrência dos solos e também pelo crescimento da produção de biocombustíveis. No entanto, o modelo energético mundial contribui para a crise e precisa ser revisto, alerta o economista Patrick Criqui, professor na Univesidade Pierre Mendès-France, na Universidade Paris-Dauphine e na Escola Politécnica Federal de Lausanne. Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, ele afirma que atualmente a humanidade deve considerar duas prioridades para resolver os problemas ambientais, sociais e econômicos: mudar os “modelos e comportamentos de transporte” e implantar “uma nova gestão da energia nos prédios para a calefação e refrescamento ou refrigeração”.

Já Martin Penner, porta-voz do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, na Itália , afirma que “Um mundo que tem fome é um mundo mais inseguro e com menos perspectivas de futuro”. Segundo ele, os estoques mundiais de cereais apresentam o nível mais baixo nos últimos trinta anos. “Muitíssimos começaram a comer comida mais ‘pobre’, com menores propriedades nutritivas, com os riscos relativos de desnutrição.” Além disso, reitera, essa crise trará impacto negativo aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, propostos pela ONU. A entrevista foi concedida por e-mail.

Confira as entrevistas.

Entrevista com Patrick Criqui


IHU On-Line – Como o senhor percebe a crise de alimentos no mundo? Povos de todo o Planeta conquistaram inúmeros bens materiais, mas ainda enfrentam o problema da fome. Vivemos uma ambigüidade?

Patrick Criqui – Diversos fatores podem explicar a crise atual: em primeiro lugar, a população mundial continua a aumentar, embora o ritmo se reduza. Em face disso, as superfícies cultiváveis aumentam menos rapidamente, pois há uma forte concorrência pelos solos e, em certas regiões, pela produção de agrocombustíveis. Em certas regiões, igualmente se reduzem os progressos nos rendimentos, como se se atingissem os limites das técnicas agrícolas modernas, com fortes recuos. Enfim, o aumento do poder de compra nos países emergentes envolve igualmente maior demanda para os produtos de origem animal, os quais requerem de sete a dez vezes mais calorias do que os produtos de origem vegetal.

IHU On-Line – Como o senhor vê o atual modelo mundial de produção e abastecimento de alimentos? Ele favoreceu algumas regiões?

Patrick Criqui – O atual modelo mundial encorajou bastante as culturas de exportação em relação às culturas alimentícias, fragilizando a agricultura nos países mais pobres, embora mantendo uma proteção mínima da agricultura nos países do Norte. Os beneficiados são, por isso, os grandes exportadores e os países do Norte e, os perdedores são os países mais pobres.

IHU On-Line – Ambientalistas e pesquisadores da ONU reforçaram a teoria de que uso de alimentos para a produção de biocombustíveis contribuiu para aumentar a crise alimentar no mundo. É possível responsabilizar os biocombustíveis pela crise?

Patrick Criqui – As culturas de agrocarburantes ampliaram a crise, sem serem a causa primeira. Mas um desenvolvimento maciço dos agrocombustíveis poderá, a longo prazo, reforçar o desequilíbrio oferta-demanda.

IHU On-Line – Que relação o senhor destaca entre as produções de energia renovável e de alimentos no mundo?

Patrick Criqui – Um cacife maior é o de se chegar a conciliar, no futuro, a produção de energias renováveis (solar-vento-biomassa) e a produção de alimentos, como propõe Ignacy Sachs no modelo de biocivilização. No entanto, isto requer muita inteligência na concepção e otimização dos sistemas de produção e de utilização dos solos.

IHU On-Line – O senhor diz que é necessário reduzir o consumo de energia. Como fazer isso num contexto no qual o consumo mundial aumenta exponencialmente e a compra de automóveis, por exemplo, se tornou cada vez mais comum, sendo estimulada até mesmo pelos governos?

Patrick Criqui – Caso se queira limitar as emissões de gases com efeito estufa, será preciso desenvolver um novo paradigma energético com muita eficácia energética, através de energias renováveis e talvez de energia nuclear. Para controlar os consumos, se pode contar com as normas de eficácia, mas provavelmente também será preciso aceitar um forte encarecimento dos preços da energia pela introdução de taxas carbono.

IHU On-Line – O senhor fala da criação de um novo paradigma energético, através de energias renováveis e energia nuclear. Qual é a sua proposta? Como controlar gases com efeito estufa através de políticas e tecnologias?

Patrick Criqui – A redução maciça dos gases de efeito estufa, por exemplo, a redução de 60 a 80% das emissões em 2050 nos países industrializados (que é o objetivo da União Européia), só poderá se apoiar sobre um número limitado de soluções:

- Em primeiro lugar, a eficácia energética e o desenvolvimento de tecnologias de “baixa energia” em todos os domínios (transporte, construção, indústria);

- Em seguida, as energias renováveis, energias fluxo e biomassa;

- A energia nuclear, que continuará necessária, sendo até muito importante, na medida que as condições técnicas e sociais de sua instalação sejam bem controladas;

- A captura e estocagem do CO2, se a factibilidade técnica for demonstrada;

- A gestão do Carbono nos ciclos vegetais Land Use, Land Use Change and Forestation (LULUCF) (Uso do solo, mudança deste uso e reflorestamento).

Nenhuma destas cinco soluções poderá ser abandonada. As políticas nacionais deverão
simplesmente gerir a boa dosagem de cada uma segundo o contexto local.

IHU On-Line – Que mudanças no modelo de consumo da população são urgentes no atual contexto?

Patrick Criqui – Há, atualmente, duas prioridades: a mudança nos modelos e comportamentos de transporte, a implantação de uma nova gestão da energia nos prédios para a calefação e refrescamento ou refrigeração.

IHU On-Line – De que modo você percebe a crise alimentar na França e na Europa: qual deveria ser a contribuição da União Européia para ajudar no combate à fome?

Patrick Criqui – A contribuição da Europa deveria ser, em primeiro lugar, a de identificar as bases de um sistema agrícola mundial simultaneamente aberto, mas assegurando a manutenção de agriculturas locais eficazes, tanto na Europa como no resto do mundo. Isto é um verdadeiro desafio intelectual, pois não creio que tenhamos, hoje, a capacidade de articular as diferentes dimensões deste complexo problema.

IHU On-Line – Jean Ziegler disse que a produção em massa de biocombustíveis, incentivada pelos EUA e pela UE como alternativa aos hidrocarbonetos, constitui um crime contra a humanidade, já que tende a substituir os cultivos de alimentos e colabora para o aumento dos preços. Como o senhor percebe essa crítica?

Patrick Criqui – A meu ver, esta crítica é muito exagerada, primeiramente porque há na Europa uma tomada de consciência, mesmo ao nível da Comissão Européia dos danos dos agrocombustíveis, e, em segundo lugar, porque – como o diz o professor Ignacy Sachs, bem conhecido no Brasil – o desenvolvimento dos biocombustíveis deve integrar-se na construção de uma biocivilização que deveria se esforçar para valorizar com inteligência os recursos vegetais, combinando os usos alimentação-energia-materiais.

Entrevista com Martin Penner

IHU On-Line – Qual é a sua explicação para a atual crise alimentar mundial? Embora o mundo cresça no que se refere a tecnologias, podemos dizer que a humanidade esteja retrocedendo?

Martin Penner – Não vivemos mais numa época de excedente alimentar. Os estoques mundiais de cereais estão no nível mais baixo dos últimos trinta anos. Somente no último ano desceram do nível cinco. São muitas as causas que contribuíram para a atual alta dos preços alimentares. Entre estas, o maior custo da tarifa energética, a competição entre hidrocarburantes e alimentos, os crescentes e diversos consumos alimentares de economias emergentes como a China, e o aumento de fenômenos climáticos adversos, como secas e inundações. A tudo isto se acrescentam os atuais ímpetos especulativos que criam um mercado internacional tanto mais volátil.

IHU On-Line – Josette Sheeran disse que hoje a capacidade de adquirir alimentos é 40% inferior ao mesmo período do ano passado. A que o senhor atribui esta diferença?

Martin Penner – Calculamos que o custo das nossas operações aumentou em 55%, e isso está relacionado aos custos maiores dos transportes que, para nós, são uma voz importante de despesa. Isso levou a rever as estimativas de balanço feitas para 2008, a fim de assistir 73 milhões de pessoas em 78 países. O aumento dos preços faz, sim, que hoje necessitemos de recursos adicionais correspondentes a US$ 755 milhões, o que leva nosso balanço complexivo a US$ 4,3 bilhões. Sem contar crises e necessidades hoje não previstas e que poderiam fazer fervilhar ulteriormente as despesas em balanço.

IHU On-Line – Na semana passada, a ONU anunciou a criação de uma força-tarefa para fazer frente à crise alimentar mundial. A doação de US$ 2,5 bilhões da comunidade internacional poderá ajuda a controlar a crise? Quais seriam as medidas imprescindíveis para resolver este problema?

Martin Penner – A Força Tarefa sobre a Crise global de Segurança Alimentar – presidida pelo Secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e da qual participam os chefes diversas agências da ONU, inclusive o PAM, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e outros especialistas internacionais – apresentará um plano de ação já na cúpula da FAO a partir de início de junho. No momento da constituição da Força Tarefa (Task Force), o secretário geral já identificara algumas linhas diretrizes através das quais intervir de imediato e em médio prazo. A curto prazo, acredito que serve à ajuda alimentar.

O Banco Mundial estima que a atual crise dos preços possa criar 100 novos milhões de pobres, muitos dos quais necessitados de assistência alimentar. A médio e longo prazo, será decisivo aumentar a produtividade e os investimentos em agricultura, em particular na África sub-saariana. O PAM está pronto para fornecer assistência alimentar, a sustentar, também através da própria logística, a ativação de redes vitais de distribuição, fornecendo entrementes ajuda e apoio de peritos aos governos empenhados no desenvolvimento agrícola.

IHU On-Line – Além de aumentar a pobreza no mundo, que outras agravantes a crise de alimentos pode gerar no planeta?

Martin Penner – O aumento dos preços já causou numerosos protestos em dezenas de países. Um mundo que tem fome é mais inseguro e tem menos perspectivas de futuro. Muitas famílias, nos países em vias de desenvolvimento, precisaram fazer escolhas drásticas: decidir, por exemplo, se comer ou mandar os filhos à escola. Em muitos casos, foram cortadas as despesas médicas. Muitíssimos começaram a comer comida mais “pobre”, com menores propriedades nutritivas, com os riscos relativos de desnutrição. Sem contar os efeitos negativos que o atual aumento dos preços pode ter sobre a obtenção dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, e, como primeiro entre todos, aquele de reduzir à metade a proporção no numero dos famintos até 2015.

IHU On-Line – Segundo a ONU e o FMI, a elevação dos preços dos alimentos é devida em parte à euforia da produção de biocombustíveis. Como o senhor avalia esse cenário?

Martin Penner – Nós não estamos pró ou contra os biocombustíveis. Seguramente, eles são um dos vetores do atual aumento dos preços. Sobre este ponto, os chefes das 27 agências que se encontraram em Berna, na Suíça, no dia 29 de abril passado, solicitaram ulteriores pesquisas sobre o uso de produtos agrícolas para os biocombustíveis, pedindo, ao mesmo tempo, uma revisão das subvenções aos produtos da agricultura destinados a este uso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil