"Estou tentando ser forte", afirma mãe de Isabella (Folha)

por Cinthia Rodrigues

Atenciosa, Ana Carolina Oliveira, 24, a mãe de Isabela Nardoni, atendeu ontem a Folha entre ligações de parentes, amigos e desconhecidos solidários. Disse que está cansada do assédio e com dificuldade de "seguir a vida". "Estou tentando ser forte, mas ver a minha filha a cada reportagem, ver toda essa situação, não está sendo fácil." Ela não quis falar sobre o pai e a madrasta da menina -só comentou sobre a filha.

FOLHA - Vocês já haviam pensado na festa de aniversário de 6 anos dela?

ANA CAROLINA OLIVEIRA - Já havia reservado um lugar sim, mas prefiro não divulgar.

FOLHA - Em eventos assim, como o aniversário dela, o pai e a madrasta compareciam?

OLIVEIRA - Ao aniversário do ano passado a família Nardoni compareceu, mas Anna Jatobá não, por ter tido um filho havia uma semana.

FOLHA - Como era Isabella? O que ela gostava de fazer?

OLIVEIRA - Ela era carinhosa, manhosa e cheia de amor. Adorava piscina, brincar de Polly [boneca], filmes e desenhos e já era inteligente pra usar o computador. Já sabia entrar nos sites da Polly, Barbie, Discovery Kids.

FOLHA - O que ela contava sobre as visitas ao pai?

OLIVEIRA - Ela adorava curtir os irmãos e a piscina -e ela tinha um quartinho só dela...

FOLHA - Você vai participar da futura ONG Isabella?

OLIVEIRA - Com certeza vou participar. Será um prazer.

FOLHA - Qual sua última recordação da sua filha?

OLIVEIRA - As últimas palavras dela, por telefone, um dia antes: "Mamãe, eu te amo muito, muito, muito".

FOLHA - O que você espera que aconteça agora?

OLIVEIRA - Que a Justiça funcione.

FOLHA - Como você vê a reação das pessoas ao caso?

OLIVEIRA - São todos muito solidários -e isso me ajuda e me conforta. Saber que existem pessoas humanas e que têm Deus em seu coração.

> Dossie do caso Isabella.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil