Aumenta sigilo nos gastos da Presidência com cartão corporativo (site Contas Abertas)

blindagem na divulgação dos gastos presidenciais com cartões corporativos parece ganhar força a cada dia, sobretudo, após a polêmica envolvendo o uso dos cartões por ministros de Estado. Nos três primeiros meses do ano, 95,5% dos pagamentos da Presidência da República efetuados com cartões corporativos foram feitos sob sigilo. As despesas confidenciais contabilizam R$ 2,6 milhões dos 2,7 milhões de dispêndios pagos pela Presidência com o cartão este ano.

Dos gastos sigilosos efetuados pela Presidência por meio do cartão, R$ 1,6 milhão foi gasto pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e R$ 971,5 mil pela Secretaria de Administração da Presidência da República, que é responsável por gastos com a manutenção dos palácios e com a família do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2007, não foi revelado o destino de R$ 3,7, milhões, o que equivale a 92% dos R$ 4,1 milhões gastos pela secretaria com os cartões. No entanto, este ano a proporção dos gastos sigilosos é maior. Do total de R$ 1 milhão pago por meio do cartão, R$ 971,5 mil estão protegidos, ou seja, 97%.

Em 2007, 95% dos gastos também estiveram sob a rubrica “informações protegidas por sigilo, nos termos da legislação, para garantia da segurança da sociedade e do Estado”, e alcançaram o patamar de R$ 15,3 milhões do total de R$ 16 milhões de despesas com o cartão. Os dados estão disponíveis no portal da Transparência, da Controladoria-Geral da União (CGU).

As informações da CGU indicam também que o total de gastos do governo federal com o cartão corporativo nos três primeiros meses deste ano (R$ 9 milhões) representam 12% dos R$ 75,8 milhões das despesas realizadas desta forma em 2007.

O general Jorge Félix, chefe do Gabinete de Segurança da Presidência, afirmou, segundo o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cartão Corporativo, Luiz Sérgio (PT-RJ), que a divulgação das despesas sigilosas atrapalha todo o esquema de segurança da Presidência. Na CPI, a oposição quer obrigar o Planalto a divulgar esses gastos, que são mantidos em segredo com o argumento de que o sigilo garante a segurança do presidente e de sua família. No ano passado, a Agência Brasileira de Inteligência não divulgou nenhum dos R$ 11,6 milhões de gastos com cartões corporativos.

Vale ressaltar que os números não refletem o total de pequenas despesas do governo, pois não foram contabilizados os gastos com as chamadas “contas tipo B”, que são despesas justificadas por nota ou recibo depois que o servidor recebe uma determinada verba.

Veja você mesmo as despesas do cartão corporativo seguindo os seguintes passos: entre no site da CGU (www.cgu.gov.br), clique em “Portal da Transparência” e depois em “aplicações diretas”. Lá, selecione a opção “cartões de pagamento do governo federal”, o ano a ser pesquisado e clique em “efetuar consultas”. Em seguida, basta escolher o órgão para ter acesso à lista de nomes de servidores e autoridades que têm o cartão corporativo. Constam também os valores totais dos gastos sigilosos efetuados pela Presidência da República, por exemplo.

Amanda Costa
Do Contas Abertas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil