Verba para a UnB pagou carro para reitor (Folha)

Promotoria sustenta que os R$ 72.200 gastos na compra de um Honda Civic deveriam ter sido utilizados em pesquisas

Universidade diz que não há irregularidade, pois a verba foi empregada em um bem para a universidade que será utilizado por outros reitores


DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Uma fundação ligada à UnB (Universidade de Brasília) comprou um Honda Civic para uso exclusivo do reitor Timothy Mulholland no valor de R$ 72.200. De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, o dinheiro deveria ter sido direcionado à pesquisa.

A verba foi passada à universidade pela Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos) por meio de um fundo de apoio institucional que só pode ser gasto com a UnB. A decisão sobre o que será comprado com o dinheiro do fundo é da administração da universidade, segundo sua assessoria de imprensa.

Há, ainda de acordo com a assessoria, quatro possibilidades de gasto: ensino, pesquisa, extensão e desenvolvimento institucional. A compra do carro foi feita sob a última rubrica.

Segundo a denúncia da Promotoria, os recursos que pagaram o carro, que tem som com MP3 e bancos de couro, vieram do mesmo fundo de apoio institucional à UnB que pagou também móveis de luxo e até mesmo plantas para o apartamento funcional do reitor, desocupado na última sexta-feira.

Assessoria

A assessoria da UnB confirma o uso da mesma rubrica na reforma do apartamento, mas sustenta que também não há irregularidade, pois é uma verba utilizada em instalação da universidade e que será aproveitada por outros reitores.

Segundo o Ministério Público, os gastos no imóvel somam R$ 470 mil; a UnB fala em R$ 350 mil. Na lista dos objetos comprados com o dinheiro que seria para pesquisa, há, entre outras compras, R$ 36.603 para equipamentos de TV e som, R$ 19.026,40 para mesas, espreguiçadeiras e cadeiras; R$ 18.210,63 em panelas, liqüidificador, jogo de jantar, ferro de passar, balde de gelo, assadeiras, aspirador de pó, kit bar "etc" da loja Kitchens; R$ 21.600 em quadros; R$ 20.562 em palha para revestimento, xales seda, tapetes e almofadas; três lixeiras da Kitchens por R$ 2.738,00 e até 16 vasos com "plantas diversas" comprados por R$ 7.264,00.

Manifestação

Estudantes da UnB anunciaram para a semana que vem uma passeata para pedir o afastamento do reitor. Eles apontam que, enquanto o apartamento do reitor era equipado com móveis de luxo, a universidade tinha instalações precárias -no final do ano, falta até papel higiênico nos banheiros.

Segundo eles, apenas duas unidades -Medicina e Química- receberam uma verba maior do que a investida no apartamento de Mulholland. Os professores também irão decidir em assembléia se se juntam aos alunos num pedido formal de licença do reitor para o Ministério Público.

Mulholland argumenta que o imóvel era usado para encontros acadêmicos. Professor de psicologia, ele está à frente da UnB desde 2005. A Folha tentou contato com ele desde o início da semana, mas não obteve resposta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica