Pular para o conteúdo principal

Biópsia de pele pode servir para diagnosticar mal de Alzheimer

da agência Efe

MADRI - Um grupo de pesquisadores espanhóis liderado por Miguel Calero, do Instituto de Saúde Carlos III, avalia se uma biópsia da pele pode se tornar uma ferramenta para o diagnóstico precoce do mal de Alzheimer, doença que atinge 430 mil pessoas só na Espanha.

Essa é uma das linhas de investigação realizadas na Fundação Cien (Centro de Investigação de Doenças Neurológicas), que será apresentada no VII Simpósio Internacional "Avanços no mal de Alzheimer", em 21 de setembro, dia mundial da doença.

O principal objetivo do projeto de Calero, parcialmente financiado pela Fundação Rainha Sofia, é analisar as alterações moleculares periféricas - diferentes das manifestadas no cérebro - associadas ao Alzheimer por meio de biópsias de pele de pacientes e pessoas saudáveis.

O mal de Alzheimer é uma doença do sistema nervoso central e, segundo o especialista, é complicado acessar o cérebro. As células epiteliais compartilham da mesma formação genética e estão submetidas aos mesmos fatores bioquímicos que os do sistema nervoso central, podendo manifestar alterações comuns entre si.

As alterações moleculares na pele associadas à doença poderiam servir como biomarcadores, mesmo em estágios iniciais, e também como elementos para avaliar a evolução da enfermidade e a resposta do paciente a diferentes terapias.

Se confirmada, a biópsia pode se converter em uma ferramenta de diagnóstico minimamente invasiva, simples e econômica. Segundo Calero, o projeto começou em outubro de 2008 em fase experimental e novos estudos ainda são necessários para confirmar a eficácia da iniciativa, mas ele se mantém otimista.

O envelhecimento progressivo da população na sociedade ocidental, que vem sendo especialmente significativo na Espanha, faz com que as estimativas de casos de Alzheimer no mundo aumentem cerca de 75% nos próximos 25 anos, se essa tendência continuar. Se assim for, especialistas acreditam que o mal seja projetado como a doença do século 21 e se torne um dos principais desafios da biomedicina.

Um avanço no conhecimento da doença também pode ser fundamental para reduzir os gastos sociais e sanitários, de acordo com Pablo Martinez, coordenador da jornada do dia 21, que será presidida pela rainha da Espanha.

Os gastos relacionados com demência na Espanha em 2010 chegaram a cerca de US$ 17,9 bilhões (R$ 30,6 bilhões). Estima-se que 610 mil espanhóis sofram de algum tipo de demência - entre eles, o Alzheimer.

As associações de pacientes com Alzheimer avaliam que são necessários US$ 38.400 (R$ 65.664) por ano para manter um paciente com a doença. Nesse sentido, a colaboração público-privada e o esforço em pesquisa e desenvolvimento são fundamentais. Por isso, segundo Martínez, uma possível redução nos orçamentos estaduais com pesquisa poderia colocar em "perigo" todos os projetos da Fundação Cien.

Emilio Marmaneu, da Confederação Espanhola das Associações de Familiares e Pacientes de Alzheimer, salientou a importância do diagnóstico precoce e de exames sistemáticos na população, a exemplo do que já é feito nos casos de câncer de mama e próstata. Marmaneu também destacou a necessidade de um plano nacional contra o mal de Alzheimer, o que está sendo negociado com parlamentares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…