Pular para o conteúdo principal

Limite da cirurgia contra obesidade está na prevenção

por Drauzio Varella  para a Folha de S.Paulo

As cirurgias para tratamento da obesidade grave estão cada vez mais populares.
 
Recebe o nome de bariátrica esse tipo de operação, na qual o volume do estômago é reduzido radicalmente e, conforme a técnica, o comprimento do intestino também.

reducao_estomago É intervenção de alta complexidade, que requer internação hospitalar muitas vezes prolongada, UTI, disciplina na dieta, mudanças comportamentais, prática regular de atividade física e acompanhamento médico pelo resto da vida. Por meio dela, os pacientes trocam uma doença difícil de tratar e cheia de complicações como a obesidade por outra de curso mais benigno: a desnutrição crônica.

Os benefícios obtidos com o passar dos anos graças ao tratamento cirúrgico foram bem documentados em pelo menos dois estudos.

No primeiro, pesquisadores suecos compararam as evoluções de 2.010 portadores de obesidade grave submetidos a cirurgia com 2.037 outros tratados clinicamente. Num período de 15 anos de acompanhamento, a mortalidade do grupo operado foi 24% mais baixa.

No segundo, conduzido nos Estados Unidos, os autores estudaram a evolução de 7.925 obesos operados, ao lado de um grupo com características comparáveis tratado clinicamente. Depois de sete anos, em média, a operação havia diminuído 40% do risco de morte. A mortalidade por diabetes havia caído 92%, por ataque cardíaco, 59%, e por câncer, 60%. Inesperadamente, as mortes por acidentes e suicídios aumentaram 58% entre os operados. Ainda assim, o balanço geral foi favorável à cirurgia.

Além da redução da mortalidade, a indicação cirúrgica nos casos graves (e apenas nestes) traz outra vantagem: o tratamento clínico das complicações da obesidade custa para o sistema de saúde seis vezes mais do que o cirúrgico, uma vez que a perda de peso induzida pela cirurgia pode curar o diabetes, facilitar o controle da hipertensão e do colesterol e simplificar a correção de problemas ortopédicos, além de melhorar a qualidade de vida.

A popularização das cirurgias bariátricas, no entanto, trouxe preocupações com a segurança do procedimento. Não são poucos os que perdem a oportunidade de se beneficiar dele, por medo de perder a vida na operação.

Acaba de ser publicado o primeiro estudo multicêntrico que avalia as complicações imediatas da cirurgia bariátrica em obesos portadores de uma ou mais das seguintes condições: hipertensão, apneia do sono, diabetes, asma, inchaço e ulcerações nos membros inferiores, doença coronariana, tromboembolias, dependência de oxigênio suplementar, incapacidade de andar 60 metros, insuficiência cardíaca e outras.
A pesquisa foi realizada em 13 hospitais americanos que recrutaram 4.776 portadores de obesidade grave, com a finalidade de documentar as complicações das três principais técnicas de cirurgia bariátrica, ocorridas no decorrer dos 30 primeiros dias do período pós-operatório.

Os números não foram muito diferentes dos encontrados em outras cirurgias do aparelho digestivo -mortalidade: 0,3% (três em cada mil casos operados); complicações mais graves: 4,1% dos pacientes.

Os fatores associados a maior risco de complicações imediatas foram índice de massa corpórea (IMC = peso/altura x altura) acima de 53, história pregressa de apneia do sono, incapacidade de andar 60 metros, trombose venosa ou embolias.

Desde 1991, existe um consenso internacional sobre as indicações da cirurgia bariátrica: IMC maior ou igual a 40; IMC maior ou igual a 35, quando houver estados mórbidos associados (hipertensão e/ou diabetes difíceis de compensar, limitações ortopédicas, apneia do sono e outras); fracasso no tratamento clínico após 2 anos; obesidade grave instalada há mais de cinco anos.

Segundo o Ministério da Saúde, existem cerca de 2 milhões de pessoas com IMC 40, no Brasil. Como esse número aumenta 3% ao ano, surgem 5 mil casos novos por mês.
 
Operar esse contingente exigiria recursos financeiros, centros hospitalares, cirurgiões e outros profissionais especializados de que o país não dispõe em número suficiente. A sobrecarga nas costas do sistema de saúde seria enorme.

Precisamos urgentemente de tratamentos clínicos eficazes e de programas de prevenção que reduzam os casos de obesidade a ponto de tornar a cirurgia desnecessária ou indicada apenas em situações especiais.

Artigos de Drauzio Varella.

> Faustão faz redução de estômago criticada por médicos.
agosto de 2009

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…