Brasileiros obtêm células-tronco de embrião humano

Uma década depois de a primeira linhagem de células-tronco embrionárias humanas ter sido isolada nos EUA, o Brasil conseguiu reproduzir a técnica. A realização nacional foi confirmada há uma semana e meia no laboratório de Lygia da Veiga Pereira, do Instituto de Biociências da USP (Universidade de São Paulo). O trabalho será apresentado pela primeira vez amanhã em um congresso científico em Curitiba.

A reportagem é de Rafael Garcia e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 01-10-2008.

O domínio da técnica é importante porque essas células são hoje fundamentais para a pesquisa biomédica. São ferramentas científicas extremamente versáteis e, ao mesmo tempo, são o material promissor para terapias contra doenças degenerativas como mal de Parkinson e diabetes, possibilidade de prazo ainda incerto.

image Entre a obtenção de embriões doados e o estabelecimento das linhagens de células-tronco, Pereira trabalhou quase dois anos, em parceria com o laboratório de Stevens Rehen, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

No meio do caminho, houve até um período de incerteza, pois a legalidade das pesquisas com embriões humanos - liberadas pela Lei de Biossegurança, em 2005-estava sendo questionada no Supremo Tribunal Federal. Mas o STF decidiu a favor dos cientistas.

"Foi muito emocionante", disse Pereira. "A gente trabalhou nisso durante muito tempo e, enfim, estamos muito contentes agora."

Após 35 tentativas frustradas, o grupo percebeu que uma das linhagens de células cultivadas em gel estava se reproduzindo e mantendo a "pluripotência". Esse é o maior diferencial das células-tronco embrionárias em relação a outras: são capazes de se transformar em virtualmente qualquer tipo de tecido biológico. A linhagem da USP já gerou neurônios e células de músculo em teste.

Uma vez que elas se especializam, porém, perdem a versatilidade. Por causa disso, a pesquisa biomédica requer linhagens de células estáveis, que permaneçam indiferenciadas por tempo indefinido, mesmo se multiplicando. Esse foi o feito dos brasileiros, que se deram conta do sucesso em agosto.

"Eu estava com a Lygia nos EUA há um mês e meio, num "tour" em empresas de biotecnologia da Califórnia, e nossos alunos iam mandando para a gente as fotos [das culturas de células-tronco na USP]", conta Rehen. "Aí a gente viu que elas estavam começando a ficar com uma cara boa, com uma morfologia de colônia, como a gente chama. Quando a gente voltou, uma aluna dela veio fazer algumas coisas aqui no Rio para confirmar, e a gente viu de fato que ela tinha todos os marcadores." Em outras palavras, estavam "ligados" os genes que conferem a pluripotência.

"De alguma forma, a gente está gerando uma autonomia nacional e, provavelmente, até a liderança na América Latina para trabalhar com essas células", diz Rehen. Segundo ele, dentro de dois meses amostras da nova linhagem, batizada de BR-1, poderão ser enviadas a outros cientistas do país.
Não se sabe de qual qual casal veio o embrião masculino que gerou a linhagem BR-1. "Preferimos manter o máximo de anonimato", diz Pereira, que contou com colaboração de duas clínicas de reprodução.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica