Ministro leva mulher, babá e filha a hotel e paga com cartão (Folha)

Orlando Silva diz que valor de hospedagem de quatro dias no Rio foi o mesmo caso tivesse ficado sozinho; pasta do Esporte faz retificação em agenda oficial

LUCAS FERRAZ
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O ministro Orlando Silva (Esporte), na foto, usou o cartão corporativo do governo para pagar diárias em um hotel quatro estrelas em Copacabana, no Rio, onde esteve hospedado na companhia da mulher, da filha e de uma babá da criança.

Silva, que admitiu que o cartão em seu nome pagou a despesa, alegou que o valor seria o mesmo caso ele estivesse se hospedado sozinho. "Todos, inclusive a babá, se acomodaram no mesmo apartamento que o ministro se hospedaria", diz nota do ministério.

À Folha, uma funcionária do hotel afirmou que o ministro costuma se hospedar no local, com ou sem a família. Contou ainda que o próprio Ministério do Esporte, encarregado por fazer a reserva, comunica em um "papel timbrado" se é para instalar um berço no quarto. A reserva teria sido feita por uma servidora da pasta, hoje responsável pela agenda de Silva.

O ministro ficou hospedado com a família e a babá no Plaza Copacabana Hotel entre os dias 14 e 18 de dezembro -de sexta a terça. Sua agenda na internet informa que ele teria compromisso apenas na segunda, dia 17. A assessoria, contudo, enviou outra agenda, por e-mail, em que o ministro não teria tido compromisso oficial apenas no sábado.

"Para reduzir custos, o ministro optou por não fazer deslocamentos para não onerar mais o Tesouro", respondeu a assessoria do ministério.
O valor da hospedagem no período, segundo extrato do cartão, disponível no Portal da Transparência (www.portaltransparencia.gov.br), foi de R$ 2.791. O hotel informou à reportagem que, só de diárias, o ministro do Esporte pagou R$ 1.228,92. Mas a quantia não incluía, segundo a funcionária, a despesa com outras "janelas", como alimentação e frigobar.

A Folha não conseguiu confirmar o total, pois a gerência disse que tais dados só podem ser passados ao próprio Silva. O hotel não informou se o ministro recebeu desconto. Os valores, como diz o atendimento do próprio Plaza Copacabana, são diferentes para os quartos simples, duplo ou triplo.

Em valores atuais -o preço foi reajustado na virada de 2007 para 2008-, a diária no "standard" -quarto em que o ministro teria ficado-, incluindo as taxas (de 15%), é de R$ 291,06 para um quarto simples -já descontado o valor ao qual ele tem direito, já que o hotel possui convênio com o governo federal. Num duplo, o valor vai para R$ 332,24, enquanto em um quarto triplo o hotel afirma acrescentar 25% sobre essa quantia -portanto, R$ 415,30. No ano passado, a diária de um quarto simples era de R$ 240, enquanto do duplo era cobrado R$ 266.

O Plaza integra a Windsor, rede hoteleira na qual um de seus hotéis, na Barra, foi escolhido o oficial dos jogos Pan-Americanos, evento ligado ao ministério de Silva.
Desde maio de 2006, quando passou a usar o cartão corporativo, Silva gastou, até dezembro do ano passado, R$ 34.378,37. Desse total, quase 50% (ou R$ 16.436,91) foram gastos em hotéis da rede Windsor.

No sábado, ele declarou que devolverá à União quase R$ 31 mil gastos com o cartão, mas afirmou que vai pedir o ressarcimento caso a CGU (Controladoria Geral da União, que o investiga) não encontre irregularidades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil