Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 4, 2010

Guia de redação para sites

Versão 1.0, abril de 2010
Desenvolvimento: por BRUNO RODRIGUES
Para: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação
Departamento de Governo Eletrônico - www.governoeletronico.gov.br

Objetivo desta cartilha elaborada pelo governo para orientar a produção de seus sítios

Mais do que um compromisso, prover informação ao cidadão é prova da transparência de um governo.

Na web, as possibilidades se expandem e o trabalho torna-se mais completo e, de certa maneira, mais complexo.

Esta ‘Cartilha de Redação Web’ pretende ser um guia e um norte na tarefa de elaborar informação clara, estruturada e eficaz para o meio digital.

Na missão de moldar orientações de simples compreensão e aplicação, buscou-se identificar pontos de interseção entre as boas práticas de elaboração de informação para o meio online e os diversos modelos de sítios da esfera governamental brasileira e mundial, e seus respectivos conteúdos.

Ao pôr em prática as dicas e orientaçõe…

Papa castigou os progressistas e deixou os pedófilos em paz

por Frederico Rampini, do La Repubblica

Joseph Ratzinger, quando cardeal (foto), dirigia a Congregação para a Doutrina da Fé e fez "parte de uma cultura de não responsabilidade, negacionismo e obstrucionismo da justiça" diante dos abusos sexuais cometidos por sacerdotes. A afirmação é do jornalNew York Times, com base em documentos internos à Igreja, entrevistas a bispos e especialistas em direito canônico. Da reportagem, surge uma versão muito diferente sobre o papel do Papa Bento XVI com relação à descrição oficial fornecida pela Igreja.

Entre as revelações, destaca-se uma reunião secreta ocorrida no Vaticano no ano 2000 entre Ratzinger e os bispos das nações anglófonas mais atingidas pelos escândalos da pedofilia: Estados Unidos, Irlanda, Austrália. Segundo o bispo Geoffrey Robinson, de Sidney, que participou do encontro secreto, Ratzinger "levou muito mais tempo para reconhecer o problema dos abusos sexuais do que alguns bispos locais". Na entrevista ao New York…

Ratzinger deixou 8 anos na gaveta o caso do padre devasso Maciel

do The New York Times

Dois ex-seminaristas mexicanos foram ao Vaticano em 1998 para apresentar pessoalmente um caso relatando décadas de abuso sexual cometido por um dos padres mais poderosos da Igreja Católica Romana, o reverendo Marcial Maciel Degollado. Na saída, toparam com o homem que teria nas mãos o destino de Maciel, o cardeal Joseph Ratzinger (foto), e beijaram o anel dele. O encontro não foi acidental. Ratzinger queria conhecê-los, disseram testemunhas mais tarde, e o caso deles logo foi aceito.

Em pouco mais de um ano, porém, veio a notícia de que Ratzinger - o futuro papa Bento XVI - havia paralisado o inquérito. "Não é prudente", dissera ele a um bispo mexicano, de acordo com duas pessoas que depois conversaram com o bispo. Durante cinco anos o caso permaneceu parado, possivelmente refém dos poderosos protetores de Maciel na Cúria, o aparato de governo do Vaticano, e de sua própria influência na Santa Sé.

De qualquer forma, Ratzinger - já Bento XVI - demorou até …