Pular para o conteúdo principal

França. Adeus ao catolicismo?

por Isabelle de Gaulmyn, do jornal francês La Croix

Devemos dar adeus ao catolicismo na França? A revista Esprit, em seu número de fevereiro, dedicado ao declínio da religião, fala a respeito sem meias palavras. Para o sociólogo Jean-Louis Schlegel, na Europa ocidental, particularmente na França, assiste-se "a uma espécie de adeus ao catolicismo, um adeus sem lágrimas, nem dramas, nem nostalgia".

Certamente, indica, a busca religiosa e espiritual continua. Mas ela passa, ao contrário, pela adesão a grandes movimentos de tipo pentecostal ou evangélico e não mais por meio da instituição católica.

Diante dessa crise profunda, o autor chama em causa a resposta da instituição e a sua recusa a uma reforma profunda, como a ordenação de homens casados, ou de mulheres. Sem dúvida, uma modificação do estatuto dos padres não mudaria, de hoje para amanhã, o prestígio e a influência da Igreja católica na França. Mas pelo menos, escreve, "os católicos comuns não ficariam privados dos bens religiosos aos quais têm direito".

Segundo Schlegel, mais grave é o fato de que a mensagem da Igreja está se tornando sempre mais "ininteligível", por causa, segundo ele, de um sistema de decisão "autoritário" da instituição eclesial, que "se tornou inaceitável em um contexto culturalmente democrático". Particularmente no campo da moral sexual, como analisado por Catherine Grémion em um artigo sobre a abordagem do magistério sobre a contracepção, reprodução assistida e aborto.

Em um artigo iluminador, o historiador Claude Langlois mostra que, em matéria de contracepção, a Igreja teve, no século XIX, uma prática pastoral mais suave, sensível às dificuldades dos casais.

A Esprit apresenta um quadro muito escuro da situação. Mas não fala das novas formas de catolicismo que surgem atualmente na França em torno às comunidades de base. Seria preciso também analisar por que aquilo que aqui é definido como "conservadorismo eclesial" parece encontrar um certo sucesso entre as gerações mais jovens. Mas o conjunto propõe uma reflexão estimulante, em linguagem acessível.

Como nota Jean-Loui Schlegel, não é certo que a sociedade se beneficia com um enfraquecimento da estrutura católica, nem com um retorno de uma religiosidade fora da instituição, de um suposto catolicismo de influência oculta e durável.

> 'A Igreja corre o risco de converter-se numa seita', afirma teólogo suíço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…