Pular para o conteúdo principal

Pálido espanto

universo

por Ferreira  Gullar, para a Folha de S.Paulo

QUANDO, AOS 13 anos de idade, um professor me falou da teoria de Laplace acerca da origem do sistema solar, minha vida mudou. Mudou o mundo que eu conhecia, que se tornou fascinante e espantoso: uma gigantesca massa de fogo, rodopiando no espaço cósmico, soltara pedaços ígneos que ficaram girando em torno dela, esfriaram e se converteram em planetas, e um deles era este em que vivemos. Descobrira o cosmo e, a partir de então, minha curiosidade só cresceu com os anos.

Não é que tenha passado a ler sem parar sobre o assunto, que não é esse o meu feitio. O que mudou foi que, a partir de então, deixei de viver num mundo que parecia ter sido assim desde sempre, para encará-lo como algo em transformação, um conjunto de sol e planetas, que surgira talvez por acaso. E mais do que isso, deixei de ser apenas o habitante deste planeta para me sentir habitante do universo. Por enquanto, não sabia ainda das galáxias com seus bilhões de estrelas.

A verdade é que o universo se tornou uma preocupação minha. Ao tomar conhecimento de que só na Via Láctea havia tantos sóis, me perguntei se não poderia haver, girando em torno deles, algum planeta igual ao nosso, habitado como o nosso.

Já considerava estranho o fato de que, em nosso sistema solar, apenas a Terra parecia ter vida, já que os outros planetas mais próximos do Sol eram quentes demais e os mais distantes, frios demais. Então, a vida era o resultado de uma feliz coincidência e só existiria na Terra? Não dava para acreditar que essa relação que existe entre o nosso planeta e o nosso Sol não se repetisse em nenhum outro ponto do universo, possibilitando a existência de seres vivos. E como seriam os habitante desses outros planetas? Os filmes de ficção científica tentam responder a essa pergunta inventando "homens" parecidos conosco, terráqueos, com ideias semelhantes.

Com a teoria da relatividade, de Einstein, nossa visão mudou ainda mais, o tempo tornou-se material, como o espaço, relativo e curvo como ele, por efeito dos corpos que o ocupam. Depois descobriu-se que o universo está em expansão permanente, com galáxias voando em seus limites a bilhões de anos-luz de distância. E, se ele se expande, é que, no começo, era pequeno e concentrado, aliás, pequeníssimo, dizem que do tamanho de uma bola de tênis.

Bem, aí discrepo, como diria o nosso saudoso Antônio Houaiss. Se é verdade que existem bilhões de galáxias contendo trilhões de estrelas, num universo que tem a dimensão de, sei lá, 13 ou 18 bilhões de anos-luz, ou seja a distância que a luz percorreria à velocidade de 300 mil km por segundo, durante todos esses bilhões de anos, bem, não dá para acreditar que toda imensidão de matéria e espaço estaria contida numa bola de uns poucos centímetros de diâmetro. Pode até ser verdade mas, que me desculpem os físico-matemáticos, uma tal hipótese me parece tão implausível como a de que a Terra seria uma mesa sustentada por quatro elefantes brancos.

Mas teorias são teorias e eu sou mais chegado à hipótese de que o universo sempre existiu, já que, na minha desautorizada opinião não científica, a outra hipótese, de que um dia não havia nada, essa me parece absolutamente absurda. Não consigo pensá-la, sequer. Nem eu nem eles. Apoiam-se em hipóteses matemáticas.

Já deve o leitor ter percebido que o Universo é um problemão na minha cabeça. Evito pensar nele porque, quando o faço, caio na fossa. É que ele é grande demais e, então, sinto-me -eu e a humanidade inteira- insignificante, uma microscópica ocorrência eventual numa vastidão espacio-temporal impossível de conceber. E fora do Universo? Não, não pode haver fora, pois ainda seria ele. É o dentro sem fora! E há quem afirme que este é apenas um dos muitos universos que existem, constituídos talvez de anti-matéria, regida por outras leis físicas...

E, como se não bastasse, pense só: a estrela que se encontra mais perto de nós está a 25 anos-luz de distância, ou seja, viajando a 100 mil km por hora, uma nave levaria 8 milhões de anos, para alcançá-la. Quando se considera que o Homo sapiens terá surgido há cerca de 100 mil anos, a conclusão inevitável é que o Universo é, a um tempo, real e fora de alcance. Lembra-me aquela porta de uma história de Franz Kafka, que estava aberta para ninguém entrar por ela. Não obstante, caberia imaginar que ele nos criou apenas para ser visto e pensado? Ou é tudo por acaso?
Mas basta! Melhor é me entregar à alegria desta manhã de sol que invade minha sala.

> Dupla de físicos enxerga Universo em gota d'água. (dezembro de 2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Marketing social é coisa de gente mentirosa e egoísta.
Título original: Marketing social (3 de setembro de 2012)

Quem acha 'todo outro lindo' deveria defender apedrejadores.
Título original: Sensibilidade cultural (13 de agosto de 2012)

Ser humano só revela o que tem de melhor quando é esmagado.
Título original: "Bonequinha de Luxo" (6 de agosto de 2012)

Todo mundo quer ser 'legal' e ninguém quer ser pecador.
Título original: Ideologia de privada (30 de julho de 2012)

Espiritualidade trágica dos gregos é a melhor.
Título original: Nêmesis (23 de julho de 2012)

Mercado do apocalipse verde tem tudo do fanatismo
Título original: O infiel (16 de julho de 2012)

Todo mundo que crer salvar o mundo é autoritário
Título original: Demagogia verde dos salvadores (15 de junho de 2012)

Inferno não são os outros, mas o 'marketing do eu', diz Pondé
Título original: Meu inferno mais íntimo (4 de junho de 2012)

Só mentirosos negam que sejamos responsáveis por nossas escol…

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

A reforma ortográfica só será obrigatória a partir de 2012, mas as novas regras já podem começar a ser aplicadas a partir de 2009. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa uniformiza o português do Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Veja o que muda neste texto do professor Sérgio Nogueira. 



> Regras especiais


1ª) Regra dos hiatos (abolida pela reforma ortográfica):
Como era?
Todas as palavras terminadas em “oo(s)” e as formas verbais terminadas em “-eem” recebiam acento circunflexo: vôo, vôos, enjôo, enjôos, abençôo, perdôo; crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Como fica?
Sem acento: voo, voos, enjoo, enjoos, abençoo, perdoo; creem, deem, leem, veem, releem, preveem.


Que não muda?
a) Eles têm e eles vêm (terceira pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos TER e VIR);

b) Ele contém, detém, provém, intervém (terceira pessoa do singular do presente do indicativo dos verbos derivados de TER e VIR: conter, deter, manter, obter, provir, intervir, convir);���…

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

Em ruas de prostituição de Genebra, na Suíça, português é língua corrente. Nos classificados de jornais europeus, apresentar-se como “brasileira” costuma render mais clientes e programas mais caros. Não por acaso estrangeiras fingem ser do País para competir pela atenção dos homens.


do Estado de S.Paulo

Estimativas da Organização Internacional de Migrações (IOM), agência ligada à ONU, apontam quase 75 mil prostitutas brasileiras trabalhando hoje na Europa. E esse número só cresce. “Espanha, Holanda, Suíça, Alemanha, Itália e Áustria são os principais destinos”, diz a entidade. E o total de mulheres que deixam o Brasil é bem superior ao de homens. Na Itália, dos 19 mil brasileiros vivendo legalmente no País em 2000, 14 mil eram mulheres. O número elevado de prostitutas contribui para a diferença.

Dados do governo espanhol apontam existência de 1,8 mil prostitutas brasileiras no país e 32 rotas de tráfico de mulheres. Muitas usam Portugal como porta de entrada e praticamente todas chegam…