Eu 'twitto', tu 'twittas'... e daí?

por Tarso Araujo, da Folha de S.Paulo

Mas dois anos, oito meses e milhões de usuários depois, as pessoas usam esses pequenos textos para muito mais do que falar da sua vida.

"Eu já usei o Twitter para prever o tempo", diz Vinícius Alves, 22, conhecido no site como @v_fox (a arroba é usada antes do "nick" para identificar os usuários).

Estudante de administração, ele saía para a aula quando uma amiga que mora ao lado do campus, do outro lado da cidade, escreveu no Twitter: "Começou a chover".

Apesar do sol, saiu de guarda-chuva. E não deu outra. "Cheguei lá e estava chovendo mesmo", diz. Fugir da chuva só foi possível graças a uma das principais características doTwitter: o imediatismo.

É dessa comunicação em tempo real que depende também o que, provavelmente, é a principal utilidade do serviço.

"Ele é perfeito para quem gosta de saber tudo que acontece na mesma hora", diz Tessalia de Castro, 22, a @twittess, mulher mais popular do Twitter no Brasil.

De fato, o primeiro grande momento do Twitter na mídia foi quando um avião caiu no rio Hudson, em Nova York. Um usuário que estava passando mandou de seu celular: "Tem um avião no Hudson". Nos primeiros minutos após o acidente, só sabia da notícia quem o seguia no Twitter.

A maior parte do que se escreve no Twitter, porém, não tem nada de emocionante. "Escrevo no meu Twitter como se fosse um diário. Sinceramente, acho ele meio inútil para quem me segue", diz Laís Ferreira, 16, a @singledout, que vê uma utilidade muita clara em estar lá.

"A maioria das bandas hoje em dia tem Twitter, então é legal para saber mais da vida delas", diz a estudante, que segue o The Used e o My Chemical Romance, entre outros artistas.

"O que leio no Twitter acaba virando assunto quando converso com meus amigos sobre as bandas", diz @singledout, que mora no Rio e conheceu @v_fox (que é de Vitória) por gostar das mesmas bandas.
Pois é, como em qualquer comunidade virtual -coisa que o Twitter também é - distância geográfica é um pequeno detalhe. "Você faz contatos por afinidades", diz @twittess.

Mas até para conhecer pessoas no mundo real o Twitter funciona. "Combino com os amigos pelo Twitter e vou a um bar. Às vezes, vem gente que nem conhecemos. Quando percebemos, já tem gente nova na roda", diz @v_fox.

Como você nem sempre conhece quem o está seguindo, vale tomar cuidados, como fez a designer de internet Cris Rocha (@mjcoffeeholick), 30, que bloqueou seu perfil para evitar a bisbilhotice do chefe.
Isso na época em que tinha emprego, porque, no ano passado, ela entrou no Twitter e passou a colocar links dos sites que criava. "Começaram a aparecer tantas propostas de trabalho que, ou continuava na empresa, ou ia trabalhar como free-lancer", diz. Acabou valendo a segunda opção.

Diga-me quem segues...

Para sua vida no Twitter servir para alguma coisa, é preciso saber escolher quem seguir. "No Orkut, a gente é amigo de quem é nosso amigo. No Twitter, uma pessoa pode te seguir sem que você a siga, e vice-versa", explica Raquel Camargo (@raquelcamargo), 22, blogueira do Twitter Brasil e gerente de social media numa empresa de comunicação.

"Se você acha que a pessoa não traz coisas interessantes, é só não segui-la. E tem mesmo muita gente que usa o Twitter como divã", diz.

Para ela, muitos não acham graça, no começo, porque têm a sensação de que estão falando sozinhos. Isso muda quando começam a seguir e a serem seguidos por pessoas que "twittam" sobre assuntos de que gostam. "Aí tudo começa a fazer sentido. Precisa de um tempinho para pegar o ritmo", diz.

Cuidado: pode viciar

E é aí que mora o perigo. Como a mensagem é curta, as pessoas podem "twittar" qualquer coisa que venha à cabeça. E o ritmo fica insano.

"Realmente, acho que toma mais tempo da minha vida do que deveria", diz @twittess, que chega a "twittar" 30 vezes por dia, às vezes.

"Estou viciado. Vejo algo interessante na rua e já vou logo pegando o celular para twittar", diz @vfox.

O curioso é que o "interessante" pode ser tão variado quanto o gosto dos mais de 250 mil usuários brasileiros do serviço. E é por isso que a pergunta "para que serve o Twitter?" tem tantas respostas.

"O Twitter em si não tem um propósito. Cada um dá o seu propósito a ele", diz @vfox.

> A revolução Twitter (26 de abril de 2009)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil