Postagens

Mostrando postagens de Outubro 5, 2008

O que não fazer antes de morrer

Imagem
Curtir a vida nunca exigiu tanto esforço. Desde que Dave Freeman e Neil Teplica publicaram o livro Cem Coisas para Fazer Antes de Morrer, em 1999, listas do tipo vêm criando um sem-fim de obrigações a ser cumpridas antes que soe a hora final. Tem até uma lista dos cinqüenta peixes a ser pescados. Freeman morreu em agosto, de acidente (aos 47 anos e tendo completado metade da lista), mas legou a permanente sensação de que sempre falta fazer alguma coisa importante. Para amenizarem a frustração, três livros recentes listam o que não fazer antes de morrer. Os títulos, claro, não variam muito: 101 Coisas para Não Fazer Antes de Morrer, do americano Robert Harris, Não Ligo a Mínima – 101 Coisas para Não Fazer Antes de Morrer, do inglês Richard Wilson, e Cai Fora! 103 Coisas para Não Fazer Antes de Morrer, do inglês Sam Jordison. "Eu, que ainda não cheguei aos 40 anos, vi as listas do que fazer e tive a sensação de que nunca iria conseguir. Primeiro fiquei meio deprimido. Depois perceb…

Excesso de pesca ameaça 80% das espécies mais exploradas do Brasil

Imagem
O mar no Brasil não está para peixe. Cerca de 80% das espécies economicamente exploradas no país estão ameaçadas pela sobrepesca, ou seja, estão sendo pescadas além da sua capacidade de regeneração.O alerta faz parte do relatório “À deriva — um panorama dos mares brasileiros”.A reportagem é de Carlos Albuquerque e publicada pelo jornal O Globo, 08-10-2008.Elaborado pelo Greenpeace, com a ajuda de 40 especialistas, o documento lista outros problemas relacionados ao bioma marinho, como a escassez de áreas de conservação (apenas 0,4% de toda a costa brasileira encontra-se protegida), e cobra das autoridades uma política nacional para os oceanos.— É extremamente importante termos uma política nacional para os oceanos para, entre outras coisas, gerar recursos para a conservação — afirma Ilana Wainer, professora do Instituto Oceanográfico da USP, que participou do relatório.— Mas não adianta nada termos isso, sem haver um trabalho de disseminação da informação. Do contrário, o cidadão comum…

O massacre de Tlateloco. 40 anos depois

No dia 2 de outubro foi lembrado o massacre que o governo mexicano levou a cabo há quatro décadas, na Praça das Três Culturas, de Tlatelolco, para terminar abruptamente o Movimento Estudantil-Popular, de 1968. Esse foi um dos crimes de Estado mais aterradores que se registram na história do México contemporâneo.O artigo é de Gilberto López y Rivas, publicado no jornal mexicano La Jornada, 03-10-2008. A tradução é de Moisés Sbardelotto.O ataque contra uma multidão pacífica e indefesa foi realizado com todos os agravantes da lei: premeditação, aleivosia e vantagem, e nele o Exército uniformizado e sem uniforme, isto é, o grupo paramilitar denominado Batalhão Olímpia e os franco-atiradores posicionados nos terraços dos edifícios próximos, os diversos corpos policiais e de inteligência da época participaram como autores materiais. Os autores intelectuais mais indicados são o ex-presidente da República, Gustavo Díaz Ordaz; seu secretário de Governo, Luis Echeverría Alvarez; os comandos mil…

'Enquanto falamos, mulheres são violentadas'

“O pior para mulheres que foram estupradas e tiveram maridos assassinados na guerra é serem discriminadas pela própria população”, diz a médica Monika Hauser, que acaba de receber o Right Livelihood Award (RLA), conhecido como Nobel alternativo, e que em 1993 fundou a ONG “Medica Mondiale”.A reportagem e a entrevista é de Graça Magalhães-Ruether e publicada pelo jornal O Globo, 05-10-2008.Eis a entrevista.O que significa receber o Nobel alternativo?Significa um grande reconhecimento para poder continuar com o meu trabalho de ajuda às vitimas da violência sexual. Estou de viagem para o Kosovo, onde encontrarei mulheres que ajudamos desde o final da guerra. Seus maridos foram presos e assassinados e elas, estupradas por soldados sérvios. Ainda hoje muitas sofrem com o trauma psicológico e com a escassez material. Depois de acompanharmos as mulheres psicologicamente, iniciamos um programa para que consigam ter uma renda própria. Cada mulher recebeu vacas e um trator para trabalhar na agr…

'Sadia e Aracruz especularam', acusa Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou ontem duas das maiores empresas exportadoras brasileiras de “especulação contra a moeda brasileira”. Em campanha em São Bernardo do Campo, apoiando o candidato do PT à prefeitura, Luiz Marinho, foi questionado sobre os prejuízos sofridos pela Aracruz e Sadia no mercado de câmbio, que somaram R$ 2,71 bilhões. O presidente afirmou que as perdas não foram conseqüência da crise financeira internacional.A reportagem é de Joaquim Alessi e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 05-10-2008.“Não foi por causa da crise, mas da especulação. Essas empresas vinham especulando contra a moeda brasileira. Vinham praticando, por ganância, uma especulação nada recomendável”, declarou Lula. Ele voltou a defender que a economia brasileira vai bem, apesar da crise. Aracruz e Sadia foram procuradas, mas não quiseram se pronunciar sobre as declarações do presidente.No dia 25 de setembro, dez dias depois da piora da crise financeira norte-americana após a qu…