Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 27, 2008

'Quem inaugurou a Operação Condor foi o Brasil'

Fonte: site do Instituto Humanitas Unisinos.


Depois de a Justiça da Itália determinar a prisão preventiva de 146 pessoas da América Latina, incluindo 13 brasileiros, em função do desaparecimento de dois italianos em 1980, durante a ditadura militar, a discussão sobre a existência da Operação Condor voltou à tona. Por mais que o governo não oficialize, as provas estão aí: o Brasil não apenas participou, mas foi quem coordenou a atividade. Além disso, uma das grandes lutas é para que o Brasil abra os arquivos da ditadura, pois todos os países que passaram por esse período político já o fizeram. Para Jair Krischke, ativista dos direitos humanos, “quem inaugurou a Operação Condor, quando sequer havia esse nome, foi o Brasil”. Em entrevista à IHU On-Line, concedida por telefone, Krischke falou sobre o desenrolar desse processo movido pela Itália, sobre os arquivos que continuam fechados, a influência dos Estados Unidos em relação à Operação Condor e sobre os direitos humanos no Brasil.

“Is…

Neiva Moreira: Jango estava em listas da Condor (do Terra Magazine)

Claudio Leal

Em entrevista a Terra Magazine, o ex-exilado político e ex-deputado federal Neiva Moreira, 90 anos, rememora seu primeiro contato com a Operação Condor e oferece um testemunho: o nome do ex-presidente brasileiro João Goulart, deposto em 1964, estava em uma lista de inimigos das ditaduras sul-americanas a serem assassinados. Ele conheceu a relação através de um diplomata hispano-americano, na Argentina.

- Circulava profusamente essa relação onde constavam dois senadores do Uruguai e militares bolivianos e brasileiros democratas e opostos às ditaduras, assassinados depois. (...) O que se pode afirmar, porque se tornou público, é que o nome de João Goulart freqüentava aquela lista sinistra - afirma Neiva Moreira.

A morte de João Goulart, no exílio argentino, em 1976, saiu do campo das teorias conspiratórias e ganhou este mês a esfera jurídica.

Baseada no depoimento do ex-agente da inteligência do governo do Uruguai Mario Neira Barreiro - preso no Rio Grande do Sul por roubo …

Goulart foi morto a pedido do Brasil, diz ex-agente uruguaio (Folha)

Jango morreu envenenado, afirma Mario Neira Barreiro

Sérgio Fleury teria dado a ordem para o assassinato

Presidente deposto teria dito aos agentes que sabia da espionagem: "Sei que estão me vigiando, mas não sou inimigo de vocês"

SIMONE IGLESIAS
DA AGÊNCIA FOLHA, EM PORTO ALEGRE

Preso desde 2003 na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (RS), o ex-agente do serviço de inteligência do governo uruguaio Mario Neira Barreiro, 54, disse em entrevista exclusiva à Folha que espionou durante quatro anos o presidente João Goulart (1918-1976), o Jango, e que ele foi morto por envenenamento a pedido do governo brasileiro.

Jango morreu em 6 de dezembro de 1976, na Argentina, oficialmente de ataque cardíaco. Ele governou o Brasil de 1961 até ser deposto por um golpe militar em 31 de março de 1964, quando foi para o exílio. À Folha Barreiro deu detalhes da operação da qual participou e que teria causado a morte de Jango. Segundo o ex-agente, Jango não morreu de ataque cardíaco, mas enve…