Não há comida para todos, alerta a FAO

O colapso da agricultura devolveu à FAO ao primeiro plano e José María Sumpsi, o número dois da entidade, vê sinais de uma mudança histórica. E adverte que acabou a época dos excedentes de alimentos.

Ele concedeu uma entrevista ao jornal espanhol El País, 04-06-2008.

Agro_bio 

Há 820 milhões de famintos. Como há 15 anos. Vocês fracassaram?

Foi o que disse Sarkozy. Erramos. Pensávamos que a agricultura era um assunto resolvido. Havia excedente há 15 anos. Agora vemos que não. A demanda cresceu e o sistema não agüentou.

Um tema clássico de oferta e procura?

Sim. Não se esperava que os países emergentes – China, Índia, Indonésia, Brasil – crescessem tanto, e cresceram a um ritmo anual de 10 a 12%. Isso produziu uma explosão de demanda. Não estávamos prontos para isso. Esse mundo novo começou a comer e de repente não há comida para todos.

Assim, os fatores que explicam o aumento dos preços são uma fábula?

Numa situação de oferta e procura muito ajustada, qualquer circunstância (um furacão, o preço do petróleo) produz um cataclisma. O primeiro que se deve fazer é salvar a vida das pessoas. Repartir a comida. O segundo, criar as regras internacionais de comércio agrícola que evitem que cada país faça o que bem entender.

Mas acabar com o protecionismo não será fácil

Esta é a chave. Se o Primeiro Mundo começa a retirar os subsídios agrícola será o princípio de um mundo diferente. França e Espanha já defendem a regulação e essa idéia deve se impor. Alguns país dão sinais de levantar barreiras para a  exportação. Se China, Japão e Vietnã exportarão suas reservas de arroz, grande parte do problema se resolveria. De Roma não sairá um grande acordo, mas serão colocadas as bases para um futuro imediato.

A estrutura da ajuda internacional deve mudar.

E mudará. Ban Ki-moon está liderando um plano de ação. Não vai permitir solapamentos nem descoordenação. A ONU trabalhará de forma coordenada com o Banco Mundial, o FMI e OMC.

E as ONG?

Será feito um plano global de ação e nos 45 ou 50 países prioritários se formarão equipes entre Governos, setor privado e ONG para levar a ajuda.

Assim, estamos ante uma revolução da cooperação.

Mais alguns meses e se verá. Em pouco tempo haverá menos famintos.

Lula tem razão na sua defesa do etanol?

Em boa parte. E sua sacada ao falar de etanol bom e etanol ruim, como o colesterol, é genial. O bom é o seu, claro. Mas é verdade; é inovador e parece que é realmente ecológico.

Fonte: IDH OnLine.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica