'A Igreja tem hierarquia pouco democrática' (Estadão)

Alexandre Rodrigues

Prestes a completar 91 anos, d. Clemente Isnard (foto) conserva o espírito jovem de um revolucionário. Descontente com uma Igreja Católica rigidamente hierarquizada e conservadora, o monge beneditino dedica boa parte do tempo de sua aposentadoria a escrever sobre temas polêmicos. Bispo emérito de Nova Friburgo (RJ), onde atuou por mais de 30 anos, d. Clemente defende o fim da exigência do celibato para sacerdotes e a ordenação de mulheres. Para ele, há religiosas prontas para dirigir paróquias e ex-padres que trocaram a vocação pastoral pelo casamento que fazem falta à Igreja.

clemente_isnard No pequeno livro Reflexões de um Bispo Sobre as Instituições Eclesiásticas Atuais, lançado recentemente, ele - um dos poucos sacerdotes brasileiros que participaram do Concílio Vaticano II - também defende a democratização da Igreja, com a participação dos leigos na eleição de bispos. Morador do Mosteiro de São Bento, no Rio, d. Clemente passa uma temporada no Recife, de onde concedeu entrevista ao Estado por e-mail.

Em seu livro, o senhor aborda temas delicados para a Igreja Católica, como o celibato, a ordenação de mulheres. Por que o senhor decidiu escrever sobre isso agora?

Porque me parecem de grande atualidade. A ordenação de mulheres acaba de ser proposta na Europa pelo cardeal Martini e tem aprovação do cardeal Lorscheider no seu livro Mantenham as Lâmpadas Acesas. Não propus o fim do celibato eclesiástico, mas apenas a possibilidade de dispensar bons sacerdotes do celibato para continuarem o ministério. Não são casados os padres das Igrejas Orientais?

Na opinião do senhor, a exigência do celibato favorece personalidades perturbadas, como a dos padres envolvidos em pedofilia?

A exigência do celibato traz uma carga psicológica que pode favorecer personalidades desequilibradas, embora não sempre. O celibato, como resposta ao convite do Evangelho e da Epístola de São Paulo aos Coríntios, deverá existir sempre na Igreja. Os monges deverão ser sempre celibatários.

O senhor acredita que, se pudessem constituir família, os padres poderiam se dedicar ao trabalho pastoral da mesma forma?

Não impediria o trabalho habitual de um pai de família. Tudo depende da vocação.

O senhor também defende a ordenação de mulheres.

A ordenação sacerdotal das mulheres é uma praxe adotada nas Igrejas Anglicana e Luterana. Dois cardeais modernos, Lorscheider e Martini, são favoráveis. Sem dúvida Ione Buyst teria competência para dirigir uma paróquia. Irmã Penha Campanedo também.

O senhor acha que, se houvesse maior poder de decisão dos fiéis na escolha dos líderes da Igreja, as pessoas se aproximariam mais dela? O senhor ousaria defender uma participação direta dos fiéis na escolha do papa?

Penso que um grupo de leigos, homens e mulheres, que ajudariam a eleger o bispo, faria a comunidade diocesana mais próxima dele. Quanto à eleição do papa, que é bispo de Roma, concordo com a opinião do cardeal Lorscheider: “Deve-se dissolver o Colégio Cardinalício e fazer o papa ser eleito pelos presidentes das Conferências Episcopais”.

É verdade que o Núncio Apostólico tentou impedir a publicação do seu livro?

O Núncio Apostólico chamou o Provincial dos Padres Paulinos, que iam publicar meu livro, e proibiu a publicação. Mas não se dirigiu a mim. Procurei então, tranqüilo, outra editora, pois o livro nada contém contra a fé e as leis da Igreja. A Santa Sé publicou um livro onde se diz que o bispo emérito, como sucessor dos apóstolos, pode pregar. Se pode pregar, pode escrever.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica