'É mais difícil saber que foi o pai da minha filha', diz mãe de Isabella (Estadão)


Ana Carolina Oliveira disse não esperar que ciúme da madrasta chegasse a esse ponto e que ‘a Justiça foi feita’

Carina Flosi

Ana Carolina Cunha de Oliveira (foto),24, mãe de Isabella Nardoni, desabafou ontem à tarde pela primeira vez após a prisão do pai e da madrasta de sua filha, Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá. O casal é acusado de matar e depois atirar a menina de 5 anos de uma janela do 6º andar do Residencial London, na Vila Isolina Mazzei, em 29 de março.

Em uma breve entrevista na porta de sua casa, na Vila Medeiros, zona norte, a bancária revelou agora acreditar que o casal assassinou Isabella. “Não vou comentar sobre as investigações. Mas minha opinião após a prisão é que a Justiça foi feita. Eu estou confiando. Esperava que não fossem eles, mas não tem jeito, agora acredito. Agora a Justiça foi feita.” Sobre a autoria do crime demonstrou tristeza. “É bem mais difícil saber que foi o pai da minha filha.”

A mãe de Isabella contou que sempre conviveu com o ciúme que a atual mulher do ex-namorado sentia dela, mas nunca pensou que esse sentimento “pudesse chegar a essa proporção”. Ana Carolina disse estar “sem palavras” e muito surpresa com a reação, anteontem, das presas que estão no Carandiru e rejeitaram a presença da madrasta naquela unidade prisional. Elas ameaçaram fazer uma rebelião e prestaram uma homenagem à mãe de Isabella, com frases de apoio pintadas no pátio da prisão: “Homenagem a Isabella. Presente do Dia das Mães.”

Os avós maternos da garota, José Arcanjo de Oliveira e Rosa Cunha de Oliveira, apoiaram as declarações da filha. Durante a conversa na calçada da residência da família, eles se posicionaram um de cada lado de Ana Carolina, sempre com olhares de carinho e abraços. A jovem voltava de uma viagem de trabalho.

Ela estava apressada porque viajaria ainda ontem à noite. O retorno está previsto para amanhã de manhã, pois pretende passar a tarde com a família. Mas já sabe: o domingo de Dia das Mães será o mais sofrido de sua vida. “Acho que esse dia será um dos mais difíceis para mim”, afirmou.

CONFIANÇA

Ana disse que acompanhou pela televisão a entrevista do casal sobre a morte de sua filha, mas preferiu não comentar as declarações. Ela usou em seu desabafo diversas vezes a palavra “Justiça”. “Justiça é a única coisa que me resta esperar agora. Estamos aí, está todo mundo batalhando junto e lutando para continuar. Estou confiante de que a Justiça vai ser feita e ela começou com a prisão deles”, afirmou a mãe de Isabella.

> Advogado pede habeas-corpus para pai e madrasta de Isabella.

> Caso Isabella.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil