UnB é recordista no uso dos cartões corporativos (site Contas Abertas)

Como se não bastassem as denúncias de irregularidades do uso de verba envolvendo a Universidade de Brasília (UnB) e a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), uma busca no Portal da Transparência revela ainda que a UnB foi a fundação de ensino no país que mais gastou com a utilização de cartões corporativos nos últimos quatro anos. A universidade desembolsou R$ 1,2 milhão apenas em 2007 com o uso do cartão, incluindo verba sacada na boca do caixa, enquanto a Fundação Universidade Federal do Piauí, a segunda entre os maiores dispêndios com o mecanismo eletrônico, gastou três vezes menos (R$ 356,7 mil).

De acordo com o Portal, oito entidades ligadas à universidade tinham o cartão no ano passado, entre elas o Hospital Universitário de Brasília (HUB), o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) e a Faculdade de Educação Física (FEF). As compras das instituições em todo o campus incluem material de consumo, de limpeza, hospitalar, acadêmico, entre outros. Em 2006, eram sete as unidades detentoras de cartão. No entanto, os gastos foram ainda maiores. A soma das faturas dos cartões vinculados à Universidade de Brasília foi o equivalente a cinco vezes mais os gastos da segunda universidade na lista das que mais consumiram. Enquanto a UnB desembolsou R$ 1,5 milhão, a Universidade Federal do Paraná gastou R$ 269,4 mil.

Em 2005, a mesma situação. A UnB teve despesas com o cartão na ordem de R$ 400,5 mil, mais do que o dobro da segunda colocada, a Fundação Universidade do Amazonas (R$ 179 mil). Já no ano anterior, a Universidade de Brasília ficou em segundo lugar no ranking das entidades do Ministério da Educação que mais gastaram com o cartão de pagamento do governo. Porém, a diferença foi de apenas R$ 4 mil em relação à Universidade do Amazonas, R$ 173,5 mil contra R$ 177,5 mil.

Segundo o Portal da Transparência, a Fundação Universidade de Brasília também lidera os dispêndios com o cartão corporativo em 2008. Apenas neste começo de ano, a entidade já acumula gastos de R$ 122,2 mil com o cartão de pagamento do governo federal, o que representa um quarto do total gasto com os cartões corporativos de todo o Ministério da Educação e entidades vinculadas.

O cientista político Antônio Flávio Testa acredita que uma das justificativas para os valores gastos com o cartão é que a instituição deve ser uma das que mais faturam no país. “Veja o patrimônio da Finatec e sua origem, é um grande banco de negócios bem sucedidos. Cada universidade tem suas peculiaridades em relação a orçamento e receitas auferidas com consultorias, projetos e educação paga”, explica.

Testa afirma que somente uma auditoria técnica isenta poderá avaliar sobre a necessidade do montante gasto com o cartão. “Os valores parecem muito altos, mas é preciso analisar onde foi aplicado e qual a justificativa técnica desses gastos, antes de se emitir um parecer”, diz. Testa acrescenta que o excesso e o exagero são os temas que devem ser discutidos nos gastos com os cartões.

UnB vai reduzir em 50% o número de cartões

A secretaria de comunicação da UnB informou que os 202 cartões corporativos em poder dos servidores vão ser reduzidos pela metade. Segundo a secretaria, todos eles foram concedidos conforme as normas definidas pelo governo federal - o credenciamento para o porte do cartão é feito pela Diretoria de Contabilidade e Finanças para servidores do quadro nas diversas unidades acadêmicas e administrativas. Segundo a secretaria, nos últimos quatro anos os gastos têm sido acompanhados pela auditoria interna, pela Controladoria-Geral da União e pelo Tribunal de Contas da União. O órgão afirma que ao longo desses anos a universidade sempre teve suas contas aprovadas.

A secretaria afirmou também que o uso do cartão corporativo na UnB representa apenas 0,15% do orçamento total da universidade. “A gestão da UnB é feita de forma descentralizada, de forma a conferir agilidade administrativa na resolução de problemas. Para isso, cada unidade acadêmica e administrativa possui um ou mais cartões, dependendo do porte e da necessidade, para gastos emergenciais, com materiais que não constam no almoxarifado. Serve até para custear saídas de campo, quando os professores levam alunos a locais distantes para realizar pesquisas ou coletar materiais, por exemplo”, explicou.

A secretaria informou ainda que a UnB realizou, no início de fevereiro, uma auditoria interna sobre os gastos com cartões corporativos da instituição. “Esse procedimento detectou que dos 202 cartões pertencentes a servidores, cerca de 50% são pouco utilizados. Diante disso, a administração determinou a redução em 50% na quantidade de cartões. A auditoria não encontrou gastos irregulares ou não comprovados e nem mesmo desvio de finalidade no uso do cartão”, concluiu.

Leandro Kleber
Do Contas Abertas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Artigos de Luiz Felipe Pondé

Europa tem 75 mil prostitutas do Brasil

O que muda na língua portuguesa com a reforma ortográfica